"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

terça-feira, 6 de abril de 2021

Esta porra de ter razão antes do tempo é tramada: "margem sul pode vir a receber terminal do porto comercial"

 Via Diário de Coimbra

"A Câmara da Figueira da Foz, em conjunto com a Administração do Porto (APFF) e a Comunidade Portuária, está a estudar a possibilidade de criar um terminal na margem sul, para «acostagem de uma ou duas embarcações para cargas específicas», ou seja, papel, pas­ta e madeira, «dentro da perspectiva ambiental e de retirar trânsito de cima da ponte». «É algo que está a ser estudado, faz parte de um pré-estudo e há interesse das partes», explicou ao nosso jornal o presidente da autarquia, no final da reunião do executivo camarário."

Em tempo.
Há cerca de 20 anos, precisamente na edição de 18 de Junho de 2001, na coluna que escrevia todas as semanas, o responsável pelo OUTRA MARGEM, publicou no jornal Linha do Oeste uma crónica a defender isso mesmo.
Passo a citar.
As razões são óbvias: basta verificar qual será a função principal do porto comercial.
Fácil de responder: proporcionar o escoamento a mercadorias da zona centro do país, em especial das empresas sediadas na zona industrial da Figueira da Foz e das celuloses.
Sendo a Figueira, como sabemos, um porto problemático a vários níveis, nomeadamente por sofrer a influência das marés, enferma de um erro estratégico de fundo: a localização. A teimosia, ou a falta de visão, em manter o porto comercial na margem norte é um factor condicionante para as condições de funcionalidade da estrutura portuária.
Duas razões simples:
1º. Se estivesse na margem sul estaria mais perto das fábricas, o que pouparia as vias de comunicação que dão acesso ao porto comercial e evitaria a sobrecarga no tabuleiro da ponte da Figueira.
2º. Principalmente no inverno, os navios acostados no cais comercial têm frequentes problemas de segurança, ao ponto de, por vezes, ser necessária a sua deslocação para a zona abrigada do porto de pesca com as demoras e despesas daí resultantes, o que torna mais onerosa e menos operacional a vinda dos navios à barra da Figueira.

Sem comentários: