Sou o senhor de meu destino; Sou o capitão de minha alma.” William Ernest Henley

terça-feira, 27 de abril de 2021

Não é estratégico

Crónica de Teotónio Cavaco, via Diário as Beiras 

"A Figueira é um concelho há demasiados anos com tudo por fazer (a Zona Industrial do Pincho só o é em sonhos, a areia continua a depositar-se a norte e a fazer cada vez mais falta a sul, a mobilidade interna permanece parada, a população vai decrescendo e envelhecendo, os jovens vão-nos deixando, …).
Por isso, nos últimos dias, temos vivido a constatação da inércia de uma década, por via do anúncio (só isso…), consubstanciado pela inexorável maquete, de intenções de resolução de uma ou outra maleita – sem que se justifique a razão das opções tomadas e sem que se peça desculpa pelos inqualificáveis atrasos.
É verdade que os eleitores do concelho da Figueira continuam a demonstrar não estarem mobilizados para exercer o seu direito e dever do voto (nas últimas eleições, a abstenção foi bem maior do que o total nacional), mas tal justifica e valida esta forma de governar o concelho?
A ideia de mudança da Câmara para um edifício moderno faz parte do “Pacote de coisas à espera de resolução” que ganha uma nova alma à medida que se aproximam as eleições autárquicas: relança-se a ideia, lê-se o que uns quantos defendem, nalguns casos até aparece uma maquete (ou um outdoor na marginal, consoante o número de votos em perspetiva) assim se elevando a auto-estima, depois há eleições e… “foi porreiro, pá!”…
Mudar a Câmara para um edifício moderno traria vantagens ao nível da poupança (energética, de recursos)? Seria uma oportunidade para reorganizar serviços, pessoas e procedimentos? Até se poderia compaginar uma eventual candidatura a fundos europeus, por via da sustentabilidade?
Talvez se possa responder “sim” às perguntas atrás colocadas, e a outras a ser consideradas para justificar aquela opção. Mas há uma pergunta a ser colocada antes de qualquer outra: é estratégico, ainda que numa perspetiva de 10/12 anos? E a resposta “não” remete-nos para o que deve ser o desígnio do concelho da Figueira, logo alocar a si os principais recursos, materiais e imateriais: o de ser empregador e sustentável."

Sem comentários: