"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

terça-feira, 27 de abril de 2021

Mudar de casa?

Crónica de João Vaz no Diário as Beiras

"A minha atividade profissional levou-me a visitar e conhecer dezenas de edifícios onde funcionam Câmaras Municipais. Invariavelmente, os mais modernos são os menos interessantes. Não têm história nem a carga institucional que esperamos do órgão máximo do poder local. Por isso, inclino-me para que a Câmara Municipal da Figueira da Foz se mantenha onde está e muito bem, na parte mais antiga da cidade num edifício que se identifica com o percurso e história da cidade.
Mudar será um erro. Passar o coração das decisões municipais para um edifício moderno sem alma é retirar peso deliberativo e consensual às políticas municipais. A ideia da passagem do edifício da Câmara para um local mais moderno, e supostamente funcional, mostra alguma incapacidade em compreender que os edifícios valem muito mais do que a sua “modernidade”.
Naturalmente que reabilitar energeticamente o edifício da Câmara Municipal tem custos. Mas para uma Câmara que parece nadar em dinheiro, com adjudicações umas atrás das outras, algumas centenas de milhares de Euros não serão certamente problema. Aliás o dinheiro investido em conforto térmico, melhoria da ventilação e iluminação, tem um retorno positivo, reduzindo-se o consumo de energia, reduzindo-se emissões e poupando-se dinheiro. Para quando a reabilitação energética dos edifícios camarários, onde predominam salas muito frias no inverno e quentes no verão?
Vejo com bons olhos a ação da Câmara Municipal na reabilitação ativa de edifícios históricos, muitos há que estão devolutos e em pré-ruína, ocupando-os com vários serviços da sua tutela. Mas, nos últimos anos essa política parece estagnada sem que haja um impulso decisivo na dinamização da baixa da cidade."

Sem comentários: