"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

Da série, o areal urbano está assim por erros e falta de visão do homem... (5)

"O nosso areal afigura-se como um dos desafios mais exigentes nas próximas décadas para a nossa cidade. Uma área 45 hectares de extensão, só na frente de mar da antiga freguesia de São Julião, demonstra-nos que nenhum projeto de infra-estrutura financeiramente viável poderia resolver o problema na sua dimensão total. Acredito vivamente numa solução que envolva a criação de um ecossistema natural entre a cidade e a zona de banhos. Isto é, um parque urbano composto por árvores de grande porte, zonas verdes e percursos pedonais. Sei bem que esta solução demoraria 30 anos a estabelecer-se como um projeto finalizado.  Porém, a necessidade crescente de zonas verdes e arborizadas junto aos principais eixos rodoviários impele-nos a repensar áreas desaproveitadas das zonas urbanas, para a criação de zonas verdes, capazes de combater os efeitos do carbono e das altas temperaturas que se fazem sentir.
Esta solução que apresento parece um pouco radical. No entanto, é algo que podemos encontrar em algumas praias espanholas, nomeadamente, em Cabanas. Trata-se de um município Galego que recentemente se geminou com a Freguesia de Buarcos e São Julião. Lá, podemos vislumbrar uma praia que em tempos teve o dobro da área. Contudo, hoje, metade dessa área é ocupada por um parque verde densamente arborizado e com infra-estruturas desportivas e lúdicas para quem pretende usufruir das mesmas.
O ideal era conseguir reduzir o areal para as dimensões do anos 50, mas as opções tomadas no passado deixaram a nossa praia nesta situação. É necessário pensar esta zona da cidade de uma forma arrojada e corajosa. Tendo sempre como finalidade um futuro sustentável, em que todos possa-mos aproveitar os banhos frios do mar da Figueira."


CRÓNICA VIA Diário as Beiras
Nota via OUTRA MARGEM.
Manuel Luís Pata faz falta à Figueira.
Depois de tantos milhões gastos, para chegarmos aqui: "Requalificação do areal para aproximar a cidade ao mar"!..
Ouçam mas é quem sabe, por saber de experiência feita:
"... na pág. 8 do semanário “A Voz da Figueira”, de 13 de janeiro de 2016, com o anúncio da construção desta “milagrosa” obra onde irão gastar (estragar mais de 2,1 milhões de euros), fiquei perplexo!..
No entanto, os meus 91 anos não deveriam permitir que isso acontecesse! Mas, aparece sempre algo que nunca nos passaria pela imaginação.
Afinal: devemos aproximar a Cidade do Mar, ou o Mar da Cidade?
Insisto: devemos procurar a todo o custo aproximar o Mar da Cidade, como no tempo em que a Figueira era a Rainha das praias.
Leva-me a crer que quem tomou esta iniciativa desconhece que foi a “Praia da Claridade” que deu a grandeza e beleza à Figueira e não será esta “milagrosa” obra que irá repor essa condição!
Na realidade, o extenso areal existe e todos sabemos qual a razão e, mesmo sabendo, foi decidido acrescentar o molhe norte!
O resultado está bem visível e é lamentável! Pelo que li, o areal distancia o mar da cidade 40 metros em cada ano!
Julgo que todos sabemos - ou o que nos leva a crer, nem todos - que esta areia não pertence à Figueira e não deveria ali estar.

Enquanto não devolvermos ao mar as areias que lhe roubaram (e que lhe fazem falta) continuamos à sua mercê. O mar faz parte da natureza e o ser humano não tem poder para a dominar! Tem sim que a respeitar e, com inteligência, saber defender-se das fases nocivas.
Pelas razões que expus, terei, a contragosto e uma vez mais, de adicionar mais uma obra ao meu arquivo de obras “asnas” e gostaria que fosse a última, não porque na verdade já não terei muito mais tempo para o fazer, mas por deixarem de existir.
O mar deu brilho e riqueza à Figueira, à praia, à faina da pesca – com destaque para a do bacalhau -, grades secas, fábricas de conservas e indústria naval e a Figueira há muito lhe virou as costas."

Manuel Luís Pata, avisou em devido tempo, mas ninguém o ouviu...

Sem comentários: