.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

sábado, 26 de maio de 2018

Obras na baixa alvo de criticas do PSD/FIGUEIRA

A Câmara Municipal da Figueira da Foz vai iniciar a obra relativa à 1.ª Fase do que chamou “Requalificação do Núcleo Antigo da Figueira da Foz”, com o objectivo principal, de acordo com o que publicitou, de “proteger o ambiente e promover a eficiência dos recursos”.
Esta fase do projeto, orçada em €3.721.966,58, tem um apoio financeiro da União Europeia (PEDU) de € 2.615.000,00, sendo a contrapartida municipal de €1.106.966,58, durando no mínimo, até maio de 2019 (dois anos de obras).
Ontem de manhã, a Concelhia da Figueira da Foz do PSD, realizou uma conferência de imprensa na praça general Freire de Andrade.
O evento serviu para criticar o projecto de requalificação daquela zona do casco velho da baixa da cidade. 
Na opinião dos socialdemocratas, a intervenção urbanística que o executivo camarário socialista se prepara para iniciar naquele local, vai prejudicar o comércio tradicional e criar constrangimentos no trânsito. 
Ricardo Silva, presidente daquela estrutura partidária, Teotónio Cavaco, Rascão Marques e Antonino Oliveira, destacaram, por outro lado, que os lugares de estacionamento naquela zona da Baixa da cidade vão ser drasticamente reduzidos e que o parque de estacionamento que está a ser construído pela autarquia fica distante da praça e vai beneficiar, apenas, os moradores. 
Alertaram, também, que a alteração do sentido de trânsito na rua da República, até à rua 10 de Agosto, vai gerar “situações de conflitos”. “Algumas das alterações de trânsito, em vez de facilitarem o escoamento dos veículos, trarão mais zonas de conflito, nomeadamente com a criação de mais entroncamentos na avenida marginal”, pode ler-se num documento a que tivemos acesso. 
Os membros da oposição ontem presentes no encontro com os jornalistas, teceram também criticas por não ter havido consulta pública do projecto de requalificação das praças da Baixa figueirense e lembraram o facto da Associação Comercial e Industrial da Figueira da Foz também não ter sido ouvida pela autarquia.
De harmonia com o que se pode ler na edição de hoje do jornal AS BEIRAS, o  vice-presidente da Câmara da Figueira da Foz, Carlos Monteiro, que detém o pelouro das Obras Municipais, ouvido por este órgão de comunicação, disse que “os sentidos de trânsito nunca são definitivos”. Acerca da falta de consulta pública, o autarca do PS sustentou: “Cumpriu-se a norma legal, porque os projetos foram debatidos e aprovados pela câmara e pela assembleia municipal”

Na opinião do o PSD da Figueira da Foz,  esta obra é exemplificativa da forma como é dirigido o concelho: "sem estratégia, sem auscultação das populações, sem a preocupação de melhorar o nível de vida das populações, sem criar atrativos para os empresários instalados ou que se queiram instalar com vista à criação de emprego, o qual tanta falta faz aos nossos jovens, não promovendo também a consequente fixação de mais população no nosso concelho."

Sem comentários: