.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Há alturas em que parece que não ouço... Ouvindo!

Via Diário de Coimbra.
"O Tribunal de Coimbra condenou António Matias, presidente da Junta de Freguesia de S. Pedro, Figueira da Foz, entre Outubro de 2013 e Junho de 2014, a cinco anos de prisão, ao dar como provados dois crimes de peculato, dois de falsificação de documento e um de prevaricação de funcionário. No essencial, tentou beneficiar a filha enquanto presidente da autarquia, só ficando com pena suspensa porque, notou o Tribunal, não tinha antecedentes criminais. Do julgamento resultaria ainda a condenação de dois elementos da Direcção da Junta (tesoureiro e secretário) e da filha do autarca."

Perguntamo-nos, muitas vezes, o que é a Justiça. 
Dela, dizem,  que é cega e que é igual para todos. 
Por vezes, cai-se na tentação de identificar Justiça com Lei.
Temos, teoricamente, uma igualdade do cidadão perante a lei. 
Mas, essa, é só a vertente formal da Justiça.
A lei emana do legislador, que por sua vez defende interesses, os interesses do momento desse legislador.

Vejamos um exemplo,  para não irmos muito longe.
Temos leis diferentes em Portugal e em Espanha...
Poderemos concluir que um dos sistemas é menos justo que outro? 
Seguramente que podemos concluir que prosseguem interesses diferentes. Nada mais.
No entanto,  temos nos dois sistemas a igualdade formal dos cidadãos perante a lei... 
Só que, na realidade, nem todos os cidadãos são iguais, nem todos têm os mesmos interesses, donde o conceito de Justiça não se deve poder sobrepor ao de Lei.
Confundir igualdade do cidadão perante a lei com Justiça, é tomar a nuvem por Juno.

Fica registado: a justiça portuguesa condenou três políticos da Aldeia. 
Agora, só faltam todos os outros. Na Aldeia, no concelho e no país.
Andam por aí a dizer que o problema são as "redes sociais" (o que quer que isso possa querer dizer...), sem escrutínio e sem o selo de garantia do jornalismo...
Na verdade, digo eu, o que interessa é desviar para canto.
Na Figueira, o problema é o escrutínio feito ao jornalismo pelas "redes sociais", que incomoda. 
E muito.
E, isso, não é um assunto menor...

2 comentários:

Anónimo disse...

Cadê os outros??
Bavas,Granadeiros, Salgados, Varas??
Faz lembrar aquela do pai rouba um pacote de leite para o filho e vai preso, estes é o que se sabe.
O Tó tem que pagar pelo erro, ponto, mas parece exagerado.
Mesmo assim continua meu amigo,ponto.
Lerias

Anónimo disse...

Espetáculo. És um supra sumo. Tens muita arte e engenho para branquear. Os maus são os outros. Nós somos uns coitadinhos. É tudo uma grande cabala.