Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

terça-feira, 2 de maio de 2017

A abertura da Base Aérea de Monte Real à aviação civil...Visita do Papa pode ajudar...

No passado dia 22 de Abril, realizou-se a assembleia Distrital do PSD Coimbra, onde foi aprovada de forma unânime, uma proposta para a "implementação do novo aeroporto internacional em Monte Real”, Leiria.
O PSD/Figueira da Foz reitera esta proposta e associa-se inteiramente à mesma, afirmando: «a abertura da aviação civil da base aérea de Monte Real é uma mais-valia e de grande relevância para o desenvolvimento da região centro» e relembra também que «a sua localização geográfica não pode ser ignorada, pois a região centro assume uma grande importância ao nível do desenvolvimento económico do país»
Entre os argumentos que sustentam esta tese estão :«a grande capacidade de exportação do centro do país, devido à sua capacidade industrial, e o turismo, que cada vez mais faz parte da estratégia de desenvolvimento da região».
O Partido Social Democrata figueirense «estranha o silêncio, por parte do Autarca da Figueira da Foz e também Presidente da Comunidade Intermunicipal do Distrito de Coimbra, João Ataíde, questionando quais as diligências que foram efectuadas pelo Autarca relativamente à abertura da Base área de Monte Real à aviação civil, ligando esta questão ao crescimento do turismo da Figueira da Foz e a uma possibilidade de investimento».
Os sociais democratas consideram que a base aérea de Monte Real, tornada um novo aeroporto internacional, iria potenciar ainda mais a região, e também o concelho da Figueira da Foz.

Recorde-se que a abertura da base área de Monte Real ao tráfego civil «está pendente de uma alteração legislativa que permita a entrada de um grupo brasileiro na sua exploração numa concessão de 30 anos, por esse motivo cerca de 300 autarcas, políticos e empresários da região Centro e do Oeste assinaram no anterior dia 30 de Abril, uma declaração na qual pedem a abertura parcial do sector aeroportuário a fim de que aquela infra-estrutura possa ter utilização servindo uma região com 1,5 milhões de habitantes».
Dentro de alguns dias, a 12 do corrente mês,  o Papa visita Fátima e vai utilizar a Base Aérea de Monte Real.
Neste momento, está a decorrer uma petição para recolha de assinaturas a favor da abertura da Base Aérea nº. 5 de Monte Real à aviação civil.
Por sua vez o Governo, em janeiro do corrente ano, em resposta a uma pergunta de deputados socialistas, via  gabinete de Azeredo Lopes, informou que quer o Ministério quer a Força Aérea têm manifestado a sua disponibilidade para analisar este assunto, mas sublinha que "em termos práticos existem pelo menos quatro áreas fulcrais que limitam a operação de aeronaves civis na base aérea nº. 5. São elas, refere na resposta às questões dos deputados, as limitações físicas, as limitações do serviço de assistência e socorro, a falta de infra-estruturas, equipamento e pessoal e a inexistência de armazenamento de combustível. No primeiro caso, o Ministério da Defesa refere que as dimensões "dos caminhos de rolagem e placas de estacionamento e as características dos pavimentos da pista, caminhos de rolagem e placas impõem restrições à utilização da maioria das aeronaves civis de médio/grande porte".
Relativamente ao serviço de assistência e socorro existente, este "tem limitações face às necessidades estabelecidas pela International Civil Aviation Organization (ICAO) para aeronaves de médio/grande porte ou aeronaves de transporte de passageiros".
De acordo com a Defesa, por outro lado, "não estão criadas as infra-estruturas, nem existe o equipamento nem o pessoal necessário e qualificado para o handling das aeronaves civis".
Por fim, "não existe um armazenamento de combustível, utilizado na aviação civil, nem um sistema de combustível (infra-estruturas e viaturas) e pessoal qualificado, com capacidade para apoiar uma operação normal de aeronaves civis".
O gabinete de Azeredo Lopes lembra que esta base aérea tem tido utilização com carácter pontual pela aviação civil, e recorda que uma operação com carácter perante desta infra-estrutura necessita da aprovação da Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC).
Considera, ainda assim, que "a eventual certificação da base aérea nº 5, em Monte Real, pode beneficiar da experiência associada à certificação da base aérea nº 11, em Beja", onde o terminal civil entrou em funcionamento em Abril de 2011". Pode ainda beneficiar, "do estudo actualmente em progresso para a eventual certificação da base aérea nº4, nas Lajes, e da base aérea nº 6, no Montijo, para os mesmos efeitos".
O Ministério da Defesa Nacional, que lembra que as primeiras diligências para promover a utilização regular desta base aérea pela aviação civil datam de 1997, refere ainda na sua resposta que uma decisão no sentido pretendido pelos deputados do PS de Leiria pressupõe "a existência de um estudo de viabilidade técnica e financeira prévio".

Por unanimidade, na Assembleia Municipal realizada no passado dia 30 de Abril, foi aprovada uma proposta apresentada pelo deputado Luís Ribeiro, da bancada do Partido Socialista, endereçada ao governo, para a abertura da Base Aérea de Monte Real (BA5) ao tráfego aéreo comercial e de passageiros pelo seu impacto económico directo na Figueira da Foz.

Sem comentários: