.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

GAU...

É óptimo ter fotos (memórias) para poder de novo passear por esses lugares lindos, que foram agradáveis e que não se apagarão de mim - e, espero, de vós. 
Há quem ache bom, de vez em quando, voltar aos lugares de sempre... 
Olhar, recordar, voltar a ver... E sorrir. Ou não! Eu continuo a sorrir.

Entretanto,  apesar da recordação,  virei essa página.
É verdade, que fez parte do meu percurso de vida. 
Concordo e aceito, que reviver o passado através do presente, é uma forma de aprofundarmos as nossas raízes!
Mas, para mim, isso é apenas passado...

Este querer reviver pode ser salutar, já que nos transmite o sinal que esse tempo passado foi bem agradável. 
As cicatrizes têm o condão de demonstrar que o  passado foi real. 
Impossível, portanto, viver sem ele. 
Contudo, pelo menos para mim, voltar a ser é impossível...

Espero que me entendam.
Prefiro a recordação.
É que, do meu ponto de vista, na verdade, somos um todo não desligável em que os diversos compartimentos não são estanques.

O meu desejo mais profundo é que tenham tido um bom e salutar convívio.
Eu estive aí, com felicidade e alegria, mas da forma que escolhi: em pensamento.
Experimentar aquilo a que os ingleses chamam “historical sense” e os franceses “déjà vu”, é algo que, neste caso concreto, já não me atrai.

É verdade que,  de tempos a tempos,continuo a gostar de ouvir o som de uma melodia do passado...
Dentro do que fui - e sou depositário -, julgo conter  em mim próprio uma parte imensa de recordações e fundo, de lembranças, de memórias.
O GAU, para mim, passados todos estes anos, é a memória de uma ideia. 
Mas, uma ideia especial.
Uma ideia colectiva que teve acção.
É assim que o quero recordar. 

Sem comentários: