Sou o senhor de meu destino; Sou o capitão de minha alma.” William Ernest Henley

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Pois é: na Figueira, já houve tempos em que uma pessoa que tinha boa memória, era uma mais valia para a sociedade...

"O elogio, esse, reservá-lo-ei, com todo o gosto, quando me deparar com acções inovadoras assentes na captação de investimento que combata a elevada taxa de desemprego, na tomada de medidas concretas e estruturantes para a dinamização do turismo, ou outras, onde se constate um notório esforço e empenho em prol do desenvolvimento do concelho de forma a impedir o êxodo constante da população mais jovem."
"É incontornável que o poder político local nunca soube lidar bem com a crítica, embora, sempre tenha convivido maravilhosamente com o elogio.
Tenho para mim, que a apreciação da acção governativa deverá observar não só o discurso reprovativo como o do enaltecimento, consoante as circunstâncias, sendo certo, que tanto um como o outro hão-de assentar sempre em razões plausíveis
Por aqui, reinam os do poder e aos restantes cabe elogiar ou então… hibernar.
Nesta minha recente e actual passagem pelo mundo da política no lado (confortável, ou não…) da oposição, sempre que se aumenta o tom da crítica, de imediato, surgem vozes sussurrantes (umas amigas, outras encomendadas) pedindo contenção, pois que os visados entendem os reparos como desrespeitosos e desconsiderantes.
O incómodo que a crítica gera junto da governação e na própria comunidade, desabituadas do confronto político, vai ao ponto dalgumas daquelas vozes irem mais longe e sugerirem, “quando em quando, contraponha com um elogio. Vai ver que cai bem.”..."

Para continuar a ler O ELOGIO, uma crónica de opinião de  CARLOS TENREIRO, basta clicar aqui.

1 comentário:

Rui Monteiro disse...

Se..Se..o PPD tivesse um dedo de testa,há muito que este homem devia ter sido aproveitado para candidato à Câmara.