.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Jornalismo

Por causas desconhecidas, os jornais em Portugal nunca ou quase nunca se definem como de esquerda ou de direita, como apoiantes deste ou daquele partido, como defensores desta ou daquela solução de Governo. Há um mito de independência. E usam uma fórmula relativamente simples. Têm artigos de opinião de gente de várias frentes, quando pedem comentários, pedem-nos de forma mais ou menos distribuída, e estabelecem as suas verdadeiras preferências editoriais por via dos títulos de primeira página, de "fugas" de informação seleccionadas, ou da escolha das notícias. Quem diz os jornais, diz também as televisões. Todavia, quem pensa nestas coisas ou sobre elas conversa, sabe (para falar só de Lisboa) que o "Expresso" é próximo do PSD, de um velho PSD, talvez, que o DN actualmente também, que o "Observador" é do PSD de Passos Coelho - e acho que só estes é que contam. O "Correio da Manhã" pertence a outra história mas, se fosse metida nesta, estava do mesmo lado. Nas televisões, a SIC é o "Expresso" e a TVI, que já foi "socialista" por via da influência do seu antigo dono espanhol, antes de ser comprada por um "fundo", está agora próxima do PSD de Passos ou de quem lhe vier a seguir. Ora, no meio disto tudo, havia um sobrevivente com alguma inclinação à "esquerda", o "Público", mas também esse agora passou para o lado de lá, coisa que já se vinha desenhando mas que se tornou definitiva com o anúncio do nome do novo director. O jornalismo em Portugal está todo do lado da "direita", do lado do PSD, do PSD mais recente. Felizmente, o Governo é de esquerda, caso contrário o país estaria muito esquisito mesmo. Claro que eu posso dizer estas coisas e nenhum político o pode, sobretudo se estiver no poder ou próximo dele, e ainda bem que nenhum importante o disse até agora. Encurtando razões, porque é que isto é importante? Naturalmente, porque a imprensa deve ser mais equilibrada (e mais transparente). Mas também porque mostra a tacanhez dos empresários portugueses. À direita, há sempre dinheiro para investir ou, em alguns casos, para perder, em jornais. À esquerda, não. É uma visão limitada da vida política nacional e perigosa, mesmo para eles. Não será fácil ser jornalista neste pequeno mundo. O que fazer? Não faço a mínima. 

Pedro Lains

Sem comentários: