.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

segunda-feira, 6 de junho de 2016

"Cada pedrada, cada melro"...

Imagem sacada daqui
Coincidências: Paulo Portas vai para a ‪Mota-Engil

Seixas da Costa foi o embaixador português na UNESCO responsável por convencer aquela entidade de que a Barragem de Foz ‪Tua‬ era compatível com o ‪Alto Douro Vinhateiro, Património Mundial. Um ano depois foi trabalhar para a Mota-Engil, uma das construtoras da obra. Hoje é administrador da ‪EDP‬ Renováveis.

Paulo Portas‬, na altura líder do CDS/PP, foi o Ministro dos Negócios Estrangeiros que nomeou Seixas da Costa para o cargo. Paulo Portas vai agora para a ‪Mota-Engil.

Assunção Cristas, do mesmo partido, era a Ministra do ‪Ambiente‬ quando autorizou o abate de 1104 sobreiros e 4134 azinheiras. Prestou declarações erradas ao Parlamento, em 2011, dizendo que o paredão estaria feito, quando nada havia no terreno. Podia ter parado a barragem. Assunção Cristas, hoje presidente do ‪‎CDSPP‬, vinha do escritório de advogados ‪‎Morais Leitão‬, Galvão Teles, Soares da Silva e Associados, onde trabalhou antes de ir para o Governo. Este firma de advocacia tem como cliente a concessionária da barragem de Foz Tua, a EDP

Coincidências...
Ou melhor, como  o «sistema e o tempo» provam que há sempre espaço para a renovação da espécie.

Nota de rodapé.
António Mota é decididamente o empresário do regime. Nos partidos do arco do poder, contrata políticos de todos os quadrantes.
Já nos anos 80, Duarte Lima, enquanto líder parlamentar do PSD, representava os interesses do grupo Mota. Pela Administração do grupo Mota, também passou o ex-ministro laranja Valente de Oliveira. 
Também o ex-ministro Ferreira do Amaral, presidente da Lusoponte, esteve na sua esfera de influência. Rui Rio prestou-lhe tributo, condecorando-o. Estão (ou estiveram) sob investigação judicial os seus negócios com Luís Filipe Menezes...
Jorge Coelho, ex-governante nas obras públicas, presidiu durante anos a este poderoso grupo. A ele se juntaram outros responsáveis da governação socialista, desde o ex-secretário de Estado Luís Parreirão a Rangel de Lima, antigo presidente da Estradas de Portugal. 
Mota pescou e continua a pescar também nas águas do CDS. Ao seu núcleo duro de gestão pertence António Lobo Xavier. Paulo Portas foi a Angola promover as relações entre a construtora e o governo de Eduardo dos Santos.
Pelas notícias de hoje, a  promiscuidade entre o sector público e o privado, entre a politica e os negócios continua de vento em popa.
Para quando a aprovação de uma lei das incompatibilidades que acabe com esta pouca vergonha?

2 comentários:

A Arte de Furtar disse...

RECADO aos CORVOS:

boa pergunta de José Gusmão (BE) -
"Antes que comece a próxima campanha de intoxicação: as sanções com que Portugal está a ser ameaçado dizem respeito a 2013-2015. Ok?"

O "Tortas" vai para servente de água tónica...
O "Tortas" vai arrefecer as fotocopiadoras ainda quentes das 65 mil fotocópias...
O"Tortas" é um finório!
O "Tortas", Maria Luís, Marques "Pentes" são o exemplo acabado "do estado a que isto chegou".

O texto é muito esclarecedor das "geringonças" desta gente.
Seixas da Costa?
Que se apresenta sempre como um gentleman intocável!?
Espera lá: Mota Engil não rima com a empresa petrolífera brasileira? Como se chama? Petro...qualquer coisa?

Sou mesmo estúpido!
Não há almoços grátis!
Vou dar uma volta, que esta "sobremesa" deixou-me com azia.



Martinha Lacerda disse...

A escolha de Paulo Portas para Mota-Engil, como a de Jorge Coelho há 7 anos, em abril de 2008, é grave. Não por ser ilícita, que não é. Não por ser imoral, que também não é, mas por demonstrar o estado a que o Estado chegou. O nível a que o país desceu. Já não são os ex-ministros que precisam de "empregos". São as empresas que sentem necessidade de contratar quem conhece os meandros do poder.