FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA.

FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

O poder e os princípios...

Nunca apoiei expressamente um grande partido.
Ainda recentemente, nas intercalares na Aldeia, apoiei a CDU.
O pragmatismo é particularmente cruel para quem apoia os pequenos partidos.
A frustração recorrente das vitórias morais, da insuficiência generalizada, muitas vezes só é ultrapassada graças aos ideais - e os ideais são as primeiras vítimas da "arte do possível".
Neste momento, estou a ouvir Paulo Portas na televisão a continuar a abrir uma porta para a coligação com o PSD de Passos Coelho.
Mais uma vez, a discussão que está em cima da mesa resume-se a isto: é preferível ter ministros a ter valores...

As coligações, como dá para ver ao ouvir Paulo Portas, são sempre soluções marcadas pela mediocridade do cinismo.
Pode-se invocar circunstâncias extraordinárias, mas é da fraqueza relativa das partes envolvidas que elas nascem.
Neste caso, a continuar, esta coligação nascerá da debilidade do candidato do PSD e do medo de desaparecimento de cena do CDS nas próximas eleições.
Nada de particularmente motivador, portanto.

Contudo, mesmo os pequenos partidos existem para conquistar o poder - o poder possível é certo, mas o poder mesmo assim.
Num pequeno partido o realismo das limitações permite o exercício do único idealismo aceitável: o idealismo temperado.
Espero, por isso, que o PCP continue a honrar os seus compromissos e nunca passe um cheque em branco para ter ministérios
De mentiras e propaganda estou farto.

Sem comentários: