Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Que grandes profissionais: “paguem aos Homens”!..


Os jogadores da Associação Naval 1º. de Maio, época de 2012/2013, são um exemplo de dignidade, superação e profissionalismo, como ontem tive oportunidade de ver ao vivo.
Numa altura em que a equipa vive um período conturbado, com salários em atraso e com a recente decisão de subtração de 12 pontos na classificação, a equipa figueirense ganhou um novo fôlego com a vitória ontem arrancada a ferros. Só a  um minuto do final do tempo regulamentar, a Naval conseguiu dar a volta ao marcador através de Marcelo Santiago, no lance mais bem conseguido e vistoso de todo o encontro, que envolveu, além do marcador do golo, Pedro Moreira e Carlitos.
A equipa da Madeira tinha inaugurado o marcador aos 19 minutos, na  sequência de uma lance de bola parada. A Naval igualou aos 57, também num lance de bola parada.
Os jogadores da Naval, apesar de todas as dificuldades, inclusive o ostracismo da cidade – ontem, com muita boa vontade, estariam no Bento Pessoa 100 espectadores – nunca desistiram e conseguiram dar a volta ao resultado a 1 minuto do final.
“Paguem aos Homens” -   este foi o grito que se ouviu ontem no Municipal Bento Pessoa no decorrer da partida com o Marítimo B.

Em tempo.
Que sorte tem a Naval em, neste momento, ter um treinador com a dimensão de Álvaro Magalhães.
«Quem é sério no trabalho merece felicidade. Vamos lutar dia a dia para que esta instituição fique pelo menos na II Liga e esperar que surjam novidades positivas, porque todos temos família».
Álvaro Magalhães, tem já um percurso longo no futebol e não consegue encontrar paralelo na sua carreira para uma situação como a que está a atravessar nesta sua passagem pela Naval...
«Nem em África?» 

Sem comentários: