quinta-feira, 8 de outubro de 2015

João Ataíde confirmou: a estação salva-vidas da Figueira da Foz "fecha às 18 horas e a embarcação de busca e salvamento estava há dois meses incapaz" ".

O Sindicato dos Trabalhadores Portuários acusou a Marinha de estar a iludir as pessoas sobre o naufrágio da Figueira da Foz e de o Instituto de Socorros a Náufragos não ter meios para acudir.
Segundo o JN, Serafim Gomes, da direcção do Sindicato Nacional dos Trabalhadores das Administrações e Juntas Portuárias, frisou que o Instituto de Socorros a Náufragos (ISN) não tinha meios disponíveis aquando do alerta, cerca das 19.15 horas de terça-feira, porque a estação salva-vidas da Figueira da Foz "fecha às 18 horas", dado que os seus funcionários "têm o regime normal da função pública como qualquer funcionário de secretaria", acusou.

"O porta-voz da Marinha está a iludir as pessoas. Diz que os pescadores deviam usar coletes salva-vidas e que foi o estado do mar e as redes na água, mas não diz que o ISN não tinha meios para acudir quando o alerta foi dado", frisou Serafim Gomes.

"Isto é uma situação incrível, que se arrasta há mais de uma década e que não serve para um socorro deste tipo. É como se os polícias e os bombeiros tivessem um horário limitado", comparou.

Serafim Gomes revelou que o salva-vidas do ISN Patrão Macatrão, fundeado na Figueira da Foz, "está avariado há duas ou três semanas" e não podia ser utilizado para acorrer às vítimas do naufrágio, que provocou um morto, havendo ainda quatro pescadores desaparecidos.

"Se tivessem uma embarcação em condições e meios humanos, se calhar, nada disto tinha acontecido", lamentou.

Serafim Gomes disse ainda que os capitães do porto possuem a "arte do desenrasca", porque não havendo meios no ISN "mandam polícias marítimos que não têm preparação" para operações de salvamento.

Ouvido pela Lusa, o comandante Nuno Leitão, porta-voz da Autoridade Marítima, disse que as declarações de Serafim Gomes "não fazem qualquer tipo de sentido", embora tenha admitido a avaria no salva-vidas do ISN.

"São declarações de quem não conhece minimamente a realidade de uma operação de busca e salvamento. Lamento que as pessoas, nestas alturas, apontem o dedo a outras pessoas que estão a fazer o seu melhor e com os meios todos disponíveis para o sucesso da missão", frisou Nuno Leitão.

"Esse sucesso resultou em duas vidas salvas pelo meio empregue , estou nessa tristeza também, foram vidas que se perderam, situações que se podiam ter evitado se as pessoas estivessem a envergar os coletes salva-vidas, se tivessem cumprido aquelas regras elementares que a Marinha e a Autoridade Marítima diariamente divulgam", adiantou Nuno leitão.

"Agora, não podem estar a apontar o dedo a atrasos do salvamento quando aquilo que foi possível fazer foi feito" justificou. No entanto, Nuno Leitão admitiu que o salva-vidas do ISN "está avariado".

"A avaria que tem é uma avaria normal, está a espera de peças para ser reparado. A capacidade da estação salva-vidas nunca deixou de estar em causa", garantiu.

O porta-voz da Autoridade Marítima frisou ainda que se a embarcação do ISN estivesse em condições de ser utilizada "não tinha qualquer tipo de empregabilidade" no socorro, por ser um navio "grande, com capacidade oceânica".

Apesar da explicação do porta-voz da Autoridade Marítima sobre a falta de adequação do salva-vidas do ISN à operação, vários pescadores lembraram que há cerca de dois anos, em outubro de 2013, o "Patrão Macatrão" salvou cinco pescadores num naufrágio de uma embarcação de pesca, sensivelmente na mesma zona do acidente do arrastão Olívia Ribau, junto à barra da Figueira da Foz e com condições adversas de mar.


Hoje, João Ataíde falou sobre o naufrágio.  Sublinhou que "as condições de prevenção e segurança" do porto da Figueira da Foz não "estavam nos seus devidos termos". O ISN "fecha às 18 horas e a embarcação de busca e salvamento estava há dois meses incapaz".
"Não direi que falhou o socorro, falharam as medidas de prevenção. Esta questão de [não] termos conhecimento de que o Instituto de Socorros a Náufragos fecha às 18:00 é demasiado grave", frisou João Ataíde, que por inerência é o responsável pela Protecção Civil na Figueira. O autarca figueirense sublinhou que "não havia ninguém disponível" no ISN para acudir ao naufrágio e registou que o salva-vidas Patrão Macatrão "que é o único que tem condições para acudir a estas situações, estava indisponível devido a uma avaria técnica".
João Ataíde disse ainda que um porto comercial com a envergadura do da Figueira da Foz "merece ter a necessária prevenção", alegando que o ISN devia ter articulado com a administração portuária a permanência de meios que permitissem acudir a um acidente como o que ocorreu terça-feira. João Ataíde notou que nos últimos três anos, "este é o terceiro acidente" mortal junto à barra do porto da Figueira da Foz. 
Por outro lado, o Presidente da Câmara lembrou que há mais de três anos que a autarquia vem fazendo "insistentemente" apelos para a dragagem da barra, a última vez em abril de 2014, dando nota das dificuldades das embarcações dos pescadores para entrarem no porto, após as obras de prolongamento do molhe norte em 2010. 

E agora senhor comandante Nuno Leitão, o problema continua a ser os coletes?..

10 comentários:

Augusto Neves disse...

Ainda sou do tempo do Moisés Macatrão e garanto que no tempo dele isto não acontecia.

Anónimo disse...

A embarcaçao Patrao Macatrao esteve presente, nas festas em honra da N Sr da Conceiçao na Costa de Lavos, a 6 de setembro....a navegar normalmente e com algumas demonstraçoes da sua capacidade, as quais eu admiro. alem disso, penso que a embarcaçao ja referida, avariada ou nao, nao o sei, mas penso k e impulsionada por jato de agua, nada k lhe interferisse nas missoes de salvamento,caso estivesse operacional,no entanto, os motores fora de borda da lancha semi rigida do ISN, se meterm a haste motora dentro de agua 50 cm sera demais, a nao ser k andem com rotaçoes a mais em "demonstraçoes amigaveis", se saem os "funcionarios" as 18h, ke fechem a barra em momentos de mar "duvidoso" a partir dessa hora.... e se querem ser funcionarios do ISN, com regime horario, que nao tenham tantas regalias que todos nos pagamos......

Anónimo disse...

Não entendo é como é que o responsável pela protecção civil na Figueira não sabia que o instituto de socorros a náufragos fechava como diz ás 18 .00 horas.

Anónimo disse...

A embarcaçao Patrao Macatrao esteve presente, nas festas em honra da N Sr da Conceiçao na Costa de Lavos, a 6 de setembro....a navegar normalmente e com algumas demonstraçoes da sua capacidade, as quais eu admiro. alem disso, penso que a embarcaçao ja referida, avariada ou nao, nao o sei, mas penso k e impulsionada por jato de agua, nada k lhe interferisse nas missoes de salvamento,caso estivesse operacional,no entanto, os motores fora de borda da lancha semi rigida do ISN, se meterm a haste motora dentro de agua 50 cm sera demais, a nao ser k andem com rotaçoes a mais em "demonstraçoes amigaveis", se saem os "funcionarios" as 18h, ke fechem a barra em momentos de mar "duvidoso" a partir dessa hora.... e se querem ser funcionarios do ISN, com regime horario, que nao tenham tantas regalias que todos nos pagamos......

Jose Silva disse...

servi o isn como membro da tripu;acao salva vidas 28 anos e sei bem a realidade do q se passa teria muito gosto e fazer frente ao comandante leitao sobre a realidade do salvamento maritimo em portugal pena q os meios de comunicacao social nao quieram a realidade deixo meu mail em caso de ser nessecario josemmsilva.60@gmail.com e mais uma vez digo infelizmente ira morrer mais gente

Anónimo disse...

Bom dia A capitania agora quer fugir as suas responsabilidades

Anónimo disse...

"QUEM SALVA OS SALVA-VIDAS !"

A VERDADE DOS NAUFRÁGIOS !

Como sabem as Estações Salva-Vidas tem pessoal com um estatuto de funcionários públicos do regime geral com um horário de secretaria das 9 às 18 horas em dias úteis desde há muitos anos.

A nível nacional existe cerca de 60 tripulantes dos salva-vidas distribuídos pelas 30 Estações de salva-vidas do continente e ilhas dos 60 profissionais, mais de metade tem mais de 55 anos de idade, o que deveria de ser por lei de 130 homens, existe Estações de salva-vidas com um só elemento onde deveria de ser seis operacionais, e a reforma deste pessoal é aos 66 anos!

Foi criado esta ano um novo estatuto para este pessoal "Corpo Especial de Salva-Vidas" que estava a ser estudado à mais de 10 anos, mas à ultima da hora as finanças não o fizeram avançar e aprovar!
Desmotivando todos os profissionais dos salva-vidas e alguns mais revoltados desligam os telemóveis depois das 18 horas e fins de semana/feriados ficando incontactáveis, visto estarem a cumprir com a lei do regime geral em funções publicas! sendo em breve efectuado por todas as Estações esta forma de luta!!

Tem havido muitas mortes no mar devido aos naufrágios na costa Portuguesa, foi o Salgueirinha, Luz do Sameiro, entre outros e nada foi feito no que toca à requalificação das Tripulações dos S/V do ISN, por isso há uma grande desmotivação destes profissionais do salvamento marítimo.

Como todos já se aperceberam após um naufrágio aparece logo as grandes desculpas, mas nunca quiseram resolver o pico da questão que é a criação de um Estatuto Especial para os tripulantes dos salva-vidas e o aumento do seu efectivo de pessoal, ou será que querem extinguir as Guarnições dos Salva-vidas do ISN? Tem-se reparado que este grupo é o parente pobre da Marinha e na opinião de alguns não é prioridade, a realidade da vida profissional tem demonstrado!

Queiram ou não num salvamento marítimo ao primeiro sinal de socorro o salva-vidas deve de sair nos primeiros 20 minutos, pois se levar muito tempo os náufragos ficaram com menos possibilidade de sobrevivência devido à Hipo-termia e à fadiga mental e física não falando no caso de estar a anoitecer que será mais um facto a considerar para dificultar o salvamento.

Por tais factos as Estações dos Salva-vidas deveriam de ter pelo menos três Tripulantes de piquete 24horas para assim responder a situações de emergências no mar o mais rápido possível.

"Vamos todos observar que passando mais uns dias após este grave acidente, os ânimos vão acalmar e tudo vai ficar como dantes e os acidentes mortais no mar vão continuar ... se não se resolver o Problema das Estações de salvamento marítimo em Portugal, pois como todos sabem isto é um problema politico, mas muito fácil de resolver.

"Tudo é difícil para quem não percebe do assunto"

Anónimo disse...

Penso que se deve começar o mais rápido possível um baixo assinado para a demissão imediata do comandante do porto da Figueira, só com a pressão da população é que as coisas podem avançar, não podemos ficar de braços cruzados, revoltados mas acomodados.

Anónimo disse...

Olha a seguranca do homem usa sempre o colete..... https://m.facebook.com/?_rdr#!/nuno.leitao.9?slog=25300&seq=424508111&rk=18&st=friend&fbtype=2048&fref=search

Anónimo disse...

Porque não adivinha! Ó burro!