domingo, 30 de novembro de 2014

Parabéns Pedro

foto Foz Mondego Rádio
Ontem estive lá. 
Sobre o evento, só me apetece escrever: tomem lá este primoroso naco de texto. 
Este bichinho da escrita e da poesia não é recente. Desde menino que me sinto preso a este mundo e não tenho vontade de lhe escapar. 
Lembro-me de ter um poema exposto na escola. Poema esse que se encontra emoldurado e que ainda hoje me intriga. Tinha dez anos e vivia entre dois mundos, os mesmo em que vivo ainda hoje - embora hoje já as maçãs estejam maduras e eu já as tenha provado e o céu por vezes se vista de cinzento. Lembro-me da minha primeira carta de amor ( ou de ódio ). No meu sétimo ano, fui rejeitado pela rapariga de quem gostava. Eis o impulso de escrever para ela. O bicho a puxar-me a mão para a caneta. Escrevi palavras de amor e de ódio. Palavras das quais hoje não me lembro. Mas, escrevi... Já nessa altura falava em amor. Não sabia o que era o amor. Imaginava. Ainda hoje não sei o que é o amor. Continuo a imaginar.”
Pedro Rodrigues, um jovem natural da Cova Gala, nascido a um de março de 1987, um puto que vi crescer e cuja escrita admiro desde 2010, lançou ontem o seu primeiro livro “Eu hei-de amar uma puta” no Casino Figueira”, com a presença de dezenas de pessoas.
Parabéns Pedro.
E olha que também tens muito jeito para o marketing... O título do primeiro livro ai está para o provar. 
Como viste, funciona perfeitamente e, a meu ver, é  primoroso...

Coisas que estou a aprender com os casos mediáticos dos políticos...

A televisão é um filtro, não mostra a realidade toda.
Mas, aquilo que exclui, existe...