quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Falava-se, era uma hipótese e de repente...

A partir de sábado, dia 11 de outubro, o Centro de Saúde de Buarcos passa a funcionar ao sábado de manhã, das 09h00 às 13h00, para os utentes inscritos. Ao domingo e feriados manter-se-á encerrado.
E, assim, praticamente da noite para o dia, partidos e pessoas com interesses políticos que ontem eram contra o eventual encerramento, será que hoje estão dispostos a lutar efectivamente contra o encerramento?
A Assembleia de Freguesia de Buarcos, na sua reunião do passado 29 de Setembro, fez aprovar por unanimidade um voto de protesto contra o encerramento.
A Câmara não tem mais nada a dizer, além daquilo que o  presidente confirmou na última reunião?..
Que essa era uma hipótese que estava em cima da mesa e que passa pelo Agrupamento de Centros de Saúde (ACeS) do Baixo Mondego, que alega que o número de consultas de urgência aos domingos à tarde é muito reduzido e que, com o encerramento referido, poderia afetar os recursos humanos que trabalham nesse período à melhoria do serviço prestado nos restantes dias da semana!..

Oi, mas que grande negócio!...



* Tendo em conta o que fez na PT, a OI fez um grande negócio...

Sinto-me inundado pela paz dos cemitérios …


Este país está cada vez mais engraçado.

X&Q1223


Importante é a pergunta (II)

Ando pela vida, passa já dos 60 anos. Depois deste tempo todo, por vezes, não é a resposta que me preocupa... O importante é procurar saber exactamente qual a pergunta correcta a fazer em cada momento. Para encontrar a resposta certa, ainda tenho uma vida inteira pela frente... 
Fica, mais uma vez, esta pergunta: 
Quando é que vai terminar o mistério da morte dos patos do oásis figueirense?

Na Aldeia... (XXIX)

Aristóteles, esse grande filósofo, ao ter dito, um dia, que o homem é um animal político, indicou-nos que a verdadeira natureza humana só se encontra na cidade - na polis
Podemos deduzir, portanto, que para o filósofo, aquele que vive fora da cidade e sem dela depender ou é um deus, ou uma besta.
Eu, porém, como homem da Aldeia, penso que a verdadeira natureza humana está fora da cidade.
polis, a meu  ver, condiciona o homem ou, por outras palavras, a sociedade agrilhoa o homem.

Na Aldeia, durante 20 anos, o Estado foi a Junta de Freguesia.
Raros, muito raros, eram aqueles que aqui viviam sem depender do Estado local.
Assim, nunca a independência foi total.
Estamos na hora de mudar.
Contudo, sabemos que não é fácil.
Somos animais de hábitos: estamos sempre à espera de ter a vida em ordem, para pôr alguma ordem na vida, esquecendo que é cumprindo os pequenos gestos que se vai restituindo o equilíbrio.

A natureza humana parece ser, para Santo Agostinho, produto da nossa orientação para Deus criador.
Mas, estaremos todos igualmente orientados para Deus?
Penso que sim.
Apenas os caminhos são percorridos com desvios próprios, intensidades e tempos diferentes e percursos irrepetíveis - consoante a pessoa que caminha.
Quer dizer: a orientação existe; mas, a vontade de caminhar varia.
A descoberta da natureza humana deverá ser uma descoberta pessoal, própria do solitário caminho de cada um, para não perturbar o entendimento de certas nuances que variam de pessoa para pessoa, como ramos diferentes de um mesmo tronco.

Neste momento, a meu ver, a partida para a descoberta de uma nova vida para a Aldeia, passa pelo voto na CDU no próximo dia 19 de outubro do ano da graça de 2014.