Sou o senhor de meu destino; Sou o capitão de minha alma.” William Ernest Henley

terça-feira, 20 de julho de 2021

Figueira, "uma cidade pejada de carros"...

Via Notícias de Coimbra
"Pedro Machado quer Plano de Mobilidade para as 14 freguesias da Figueira da Foz. 
A reunião de trabalho contou com a presença de João Marques, engenheiro de tráfego e consultor do Banco Mundial, a quem coube uma breve caracterização da cidade figueirense. 
“A Figueira da Foz está pensada para os veículos. Mas, acredito que rapidamente terá de ser repensada, terá de ser reorganizada. A cidade está pejada de carros e os melhores locais estão repletos de carros”, disse João Marques."

O transporte público é um dos grandes problemas da Figueira da Foz. Dada a escassez da oferta, quem mora, por exemplo, na Cova-Gala, que dista 4 quilómetros da sede do concelho, poderia, por exemplo, utilizar a bicicleta. 
Poder, podia, mas como? 
Para vir à cidade num veículo de duas rodas só há um acesso: pela Ponte Edgar Cardoso. Isso, é colocar a integridade física, se não mesmo a vida, em risco: o trânsito, que é intenso naquela via, atinge, num local onde a velocidade máxima permitida por lei são 70 Km, há veículos que atingem velocidades a roçar o dobro. Depois, há os camiões carregados que não respeitam nada, nem ninguém.
Realmente, a mobilidade em Portugal e na Figueira privilegia o carro. 
Porque não, por exemplo, haver uma travessia por barco entre a Gala e a Figueira, para servir a população do sul que quisesse deslocar-se de bicicleta à cidade, que facilitasse essa opção, se possível, até com incentivos no preço da viagem entre as duas margens do Mondego?
A prometida ponte Lares/Alqueidão não vai ter qualquer efeito positivo para quem vive nas freguesias da Marinha das Ondas, Paião, Lavos e S. Pedro.
Vamos encarar a sério o problema da mobilidade para as 14 freguesias do concelho depois de 26 de Setembro de 2021?
Essa sim, é uma questão estruturante em todos os aspectos, incluindo os ambientais.

Sem comentários: