"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

domingo, 25 de julho de 2021

A democracia só é possível com democratas. Na Figueira, não é diferente...

A democracia pratica-se com a aceitação democrática das diferenças. Não com discursos sonantes, mas vazios de conteúdo. Muito menos, com ataques pessoais.
Neste momento na Figueira, ainda em clima de pré-campanha eleitoral, tem cabimento uma reflexão serena. Não pretendo ensinar nada. Trata-se de um contributo à sanidade da vida política e ao exercício correcto da cidadania.  
É, apenas uma opinião, uma opinião despretensiosa e livre. 
Espero que possa interessar a mais alguém.
A democracia na Figueira, em Setembro próximo, pode testar positivo para ameaça autoritária...

Campanha sem promessas não dá votos.
Porém, os compromissos eleitorais deviam ser para cumprir. 
A verdade, como temos constatado ao longo de décadas, é que raramente os compromissos assumidos em campanhas como promessas eleitorais, não se cumprem.
Basta recordar as promessas feitas nos últimos 24 anos no decorrer das campanhas eleitorais na Figueira da Foz. 
Quem, nessa altura, fez promessas sabe muito bem que assim é. 

Perante esta realidade, parece que o mais importante é reflectir sobre o que se promete e o seu interesse para o conjunto da comunidade. De quem se propõe governar, a qualquer nível, espera-se sempre e muito legitimamente, um testemunho de sensatez, de verdade, de respeito pelo eleitorado e pelos outros candidatos.

A democracia constrói-se com a aceitação respeitosa das diferenças, não com discursos sonantes, nem com ataques pessoais. A diferença pode sempre enriquecer. Falar do outro, como se fosse um inimigo a abater, divide sempre, fere inutilmente, levanta muros, promove suspeitas, inquina relações, destrói uma sociedade onde todos têm direito a viver e participar.

Uma campanha eleitoral é, entre nós, normalmente um espectáculo desagradável e nada edificante, pelo que se diz e como se diz e pelo que se promete. Contados os votos, lá vêm palavras de felicitação com sorrisos de circunstância, mas, para trás, ficaram feridas difíceis de curar e lama difícil de limpar. 
Vêm, depois, as promessas para cumprir. Então, se elas ainda se recordam,  multiplicam-se desculpas, arranjam-se culpados, para tentar responder pelo incuprimento do que foi prometido aos eleitores. 

E o povo? Pelo que vamos vendo, conta pouco ou conta cada vez menos.
Em campanhas eleitorais, poucas vezes se vê a leitura serena da realidade concreta e se fala de propostas de solução possível. 
Nas autárquicas 2021 na Figueira, temos tribunos argutos, fluentes e experientes e promessas para deslumbrar.
Por mim, espero um empenhamento autêntico e sincero no bem comum, espírito de serviço em prol dos figuerense e menos ânsia de conquisat de prestígio pessoal.
A classe política tem o dever de se prestigiar. As campanhas eleitorais são uma boa ocasião. Não se diga que a respeitar os outros candidatos não se ganham eleições. 
Para ganhar e para perder é preciso dignidade.
Só esta sobrevive para além do acto eleitoral.

Sem comentários: