.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Futuro, para os actuais responsáveis políticos figueirenses, são cenas que se hão-de vir a passar...

"O futuro da cidade", uma crónica do eng. Daniel Santos.

"Os atuais responsáveis e aqueles almejam um dia administrar as cidades deveriam ter a oportunidade de ler o ensaio do professor José Mendes, vice-reitor para a inovação na Universidade do Minho, editado em livro com o título “O futuro das cidades”.
Como ele próprio anuncia, não se trata de propor novas formas urbanas mas de saber interpretar os novos desafios e produzir visões, estratégias e lideranças com vista à criação de atracão e desenvolvimento para a cidade.
Identifica quatro caminhos: a passividade, a reatividade, a proatividade e a interatividade, condenando os dois primeiros ao insucesso. Define a cidade proativa como a que desenha objetivos claros e a interativa a que coopta desafios, cria e adota ela própria uma visão diferenciadora, uma marca e uma liderança.
No caso da Figueira foi desenhado um diagnóstico inscrito no Plano Estratégico de 2014. Com base naquele foram definidos eixos de intervenção a partir da já clássica análise dos pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças (SWOT) e foram propostas ações.
As propostas de José Mendes para a cidade proativa ou interativa podem até encontrar-se inscritos no citado plano.
Mas será que, sem participação pública, os figueirenses conhecem os objetivos a alcançar e a estratégia?
Será que o sentem no seu dia a dia?
Ou, continuam induzidos de que a sua cidade tem futuro…no passado?"

Nota de rodapé.
Apesar de viver na Figueira, uma cidade em que todos teremos bastante para pensar sobre o passado, no futuro, porque, há muito, que não temos futuro em que pensar, quero continuar a ter uma visão do futuro esperançosa, embora, no passado recente e no presente, tenha poucos motivos para isso. 

Sem comentários: