.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Boa sorte Figueira: os políticos locais perderam o tino...

O autarca modelo
 e a maioria social
"O poder local democrático, cada vez mais sem receitas próprias, inerme perante os interesses dos grupos económicos privados, das opções cegas do poder central e dos caprichos dos fundos europeus, põe-se cada vez mais a jeito na busca daquilo a que chama, com circunspecta jactância, “o consenso” – que não passa daquilo a que, em português vernáculo e antigo se chama, muito mais prosaicamente, “conchavo”.

Um dos campeões absolutos nesta modalidade polítiqueira local é José Elísio. ZéElísio, o “pernas” - o afoito presidente da Junta de Lavos. Depois do cambalacho da reformulação das freguesias, o “pernas” acaba de participar noutra cegada patrocinada pelo governo anterior (que o meu amigo Agostinho tem vindo a comentar e a documentar com profusão de pormenores sórdidos, no seu blogue “Outra Margem”) e que decerto o coloca nos píncaros da popularidade na sua freguesia.
Elísio conseguiu, com o inepto altopatrocínio do presidente da Câmara, um Ataíde socialista, chamar a si (a Lavos), a edificação de uma espécie de super-centro-de-saúde que agrupará os “utentes” de quase todas as freguesias de sul do concelho (levando ao encerramento dos centros de saúde destas e transformando Lavos numa espécie de Meca do turismo de saúde local), digam lá que não é de génio. Os fregueses e o comércio de Lavos estão exultantes. Pimenta no cu dos outros para eles é refresco.

A verdade porém é que os utentes das freguesias despojadas dos seus centros de saúde estão invejosos. Apesar de enxofrados, nofundonofundo também queriam para eles um autarca como o “pernas” (mesmo que fosse alguém só com duas).
Afinal estamos em Portugal. Somos todos portugueses. Este é o país de “Os Lusíadas”. Onde todos os fregueses partilham dos mesmos valores - aqueles que se consubstanciam naquela palavra com que Camões culminou a sua obra. E que define uma gente que só sente que prospera com o mal dos outros. Metade nem sequer vota. A outra metade divide-se entre espíritos florentinos como ZéElísio, o presidente da junta, e simples de espírito  como Ataíde, o presidente da Câmara.

E, ao contrário do meu amigo Agostinho, não vejo alternativa a isto. Porque, ai de mim, também não vejo onde caralho enxerga Agostinho uma maioria social de esquerda."

Sem comentários: