Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Será que os finlandeses vão provar o remédio dos "preguiçosos do sul"?..

Em 2011, os portugueses tiveram oportunidade de assistir a um vídeo da Finlândia - em resposta a outro que Portugal já tinha feito -, em que os finlandeses diziam que iam abster-se de gozar com a situação da economia nacional, embora pudessem fazê-lo. 
Em boa hora não o fizeram. Quatro anos depois, a economia nórdica mergulhou numa crise estrutural sem fim à vista e não está em posição de gozar com ninguém. Na Finlândia a dívida pública também deve este ano romper o limite de Bruxelas, mas mantém-se próxima dos 60% do PIB. 
Noutra economia, poderia significar o recurso a estímulos. Na Finlândia, fiel defensora da teoria da austeridade alemã, isso é mais difícil. "É preciso cumprir o que se apregoa para os outros", frisa Pasi Sorjonen, economista-chefe do Nordea, o maior banco da região nórdica, reconhecendo que o futuro próximo não parece risonho, porque o actual governo está a tentar cortar na despesa - depois do falhanço das subidas de impostos dos últimos anos -, mas os finlandeses estão a rejeitar o medicamento que, nos últimos anos, defenderam para o Sul da Europa.

Sem comentários: