"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Por sua culpa, sua tão grande culpa.

O governo PSD/CDS não é, naturalmente, o único responsável pelo estado em que hoje se encontra Portugal. Mas é responsável por estarmos muito mais endividados do que estávamos há 4 anos. É também responsável por termos mais desigualdades sociais do que tínhamos há 4 anos. É o único responsável por termos mais carga fiscal sobre os trabalhadores e menos sobre as empresas e accionistas do que tínhamos há 4 anos. É o grande responsável pelo ataque vil e reiterado de que foram vítimas os funcionários públicos nos últimos 4 anos. E é certamente responsável pela degradação do sistema público de ensino e pelo défice inédito no sistema de pensões nos últimos 4 anos.

Contudo, das muitas coisas de que podemos acusar o governo PSD/CDS, há uma que é verdadeiramente gravosa: nestes quatro anos mataram como nunca a confiança do país e, com isso, afundaram a esperança no futuro entregando-nos a um miserabilismo cinzento e conformista.

A propaganda foi clara: somos medíocres, fomos despesistas, comportamo-nos como piegas e, por isso, merecemos viver condenados à pobreza em que estamos.

projecto ideológico é simples: 
(1) não podemos aspirar a ser mais do que um entreposto de mão de obra barata; 
(2) devemos viver condenados a saldar a dívida com que pagámos os desfalques nas instituições bancárias a quem querem agora confiar as nossas pensões; 
(3) devemos reduzir o Estado ao mínimo possível para entregar o máximo possível à Igreja e às outras multinacionais que se vão apropriando do património de todos; 
(4) o desemprego é um mal necessário, a emigração é a saída merecida e o emprego é uma beneficência que os patrões concedem aos mandriões dos portugueses.

A narrativa é eficaz porque se alicerça no medo. E o medo entorpece a ponto de se querer a protecção daqueles que humilham e chicoteiam quotidianamente. Mesmo quando há alguns sinais de optimismo ninguém ousa querer construir um país com um progresso suficientemente forte para capitalizar os recursos humanos altamente diferenciados de que dispõe.

É por isso que é fundamental um novo rumo para Portugal. É urgente restaurar a confiança do país mas sobretudo a confiança no país. Construir uma alternativa política tem que significar o retorno do país ao caminho do progresso e do desenvolvimento social e económico. De outro modo continuaremos entregues ao castigo de Sísifo a que PSD e CDS nos condenaram.

Pedro Morgado

Sem comentários: