.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

A BOLA: "ai que saudades, ai, ai!.."

Durante muitos anos fui um fiel leitor do jornal A BOLA.
Carlos Pinhão, Carlos Miranda, Aurélio Márcio, Alfredo Farinha, Homero Serpa, Cruz dos Santos, Joaquim Rita, Rui Santos, Santos Neves, Vítor Serpa, e mais alguns, constituíam uma equipa redactorial com grande cultura jornalística, brio profissional e conhecimentos profundos sobre futebol e não só. A partir de meados dos anos sessenta do século passado tive oportunidade de ler nas colunas de A BOLA prosas  de grande brilhantismo e fulgor, verdadeiros tratados na arte de bem escrever português, que me transmitiram o gosto pela nossa língua e pela crítica honesta, verdadeira, isenta e independente.
Desde a sua fundação, por Cândido de Oliveira, Ribeiro dos Reis e Vicente de Melo, em Janeiro de 1945, A BOLA constituiu-se numa referência de prestígio, de rigor e de qualidade na forma de fazer jornalismo, de escrever sobre desporto e do futebol em especial. 
A BOLA, em plena ditadura salazarista, afirmou-se com grande destaque no panorama da imprensa desportiva. Mas não só, A BOLA era o maior jornal português, o mais prestigiado e conhecido e o de maior expansão e vendas, dentro e fora de Portugal.
Durante as décadas de 60, 70 e 80, A BOLA era  conhecida como a  "Bíblia" do Desporto Português, uma instituição admirada e respeitada,  em Portugal e no estrangeiro, em especial nos países  onde viviam e trabalhavam os emigrantes portugueses. Nas antigas províncias ultramarinas de África (Angola, Moçambique, Guiné), os portugueses lá residentes aguardavam ansiosamente pela chegada do jornal, não só para saberem notícias do desporto do continente, mas, também, para  matarem saudades.
Isso aconteceu quando o jornal era trissemanário. Publicava-se às segundas, quintas e sábados. Quando os jornais desportivos passaram a diários deixei de consumir esse tipo de imprensa.
O futebol não é uma escola de virtudes, mas continua a  suscitar paixões. 
O futebol de hoje, com os seus meandros obscuros, deixou de me interessar.
Mais triste, desolado e sem vontade de ler jornais desportivos fiquei ao deparar com a primeira página de ontem de um jornal que eu admirei tanto.
Reparem só na forma triste e miserável como  dão a notícia da morte de Jorge Gonçalves!..
Resta-me fazer uso de uma expressão famosa do saudoso Carlos Pinhão: "Ai que saudades, ai, ai!.."

1 comentário:

A Arte de Furtar disse...

Gostava de ter escrito este texto.
A Bola era um escola de jornalistas, analistas, escritores e opinadores com cultura e arte de bem escrever português.
Tinha uma redacção de excelência.
Outros tempos. Outros futebóis.