sábado, 30 de agosto de 2014

Para manter o prestígio... (III)

Porque este blogue não pode ser só larachas políticas, patos mortos, futebol e fotos de mulheres nuas, fica uma notícia cultural, tal como a foto,  sacada daqui... 

De médico e de louco, diz-se, todos nós temos um pouco. 
Já a combinação de professor, advogado, jornalista, político, ensaísta e romancista é menos comum. 
Este sábado, a seguir ao bloco informativo das 10h00, damos-lhe a conhecer o novo romance de António Tavares, «As palavras que me deverão guiar um dia», finalista do cobiçado Prémio Leya, mas também o seu autor, o homem que garante ter feito sempre o que queria, de consciência tranquila e que está, admite, cada vez mais «despojado», a caminho de uma misantropia sorridente: «mais natureza, mais pessoas e menos sociedade».
O livro - uma homenagem à literatura e aos autores e obras que lhe alimentaram a alma e a imaginação, com «qualquer coisa de autobiográfico» -, estará nas livrarias, com a chancela da Teorema, a partir de 2 de Setembro. 

A entrevista, essa, pode ouvi-la já hoje, em 99.1 fm".

2 comentários:

Anónimo disse...

"Na Figueira, do meu ponto de vista, a comunicação social continua a ter os pecadilhos de sempre: falta de ideias próprias; e continua presa a velhas rotinas, que impedem a sua renovação.
Basta ver os conteúdos. O grosso da coluna das notícias veiculadas pelos órgão de comunicação locais, provem das fontes oficiais ou institucionais.
Não falam das pessoas normais - as que no fundo lêem jornais e ouvem rádio.
Os jornais – e os jornalistas - gravitam em torno dos poderes, como mosquitos à volta duma lâmpada acesa numa noite escura, numa zona de águas estagnadas e mal cheirosas.
Culpa dos jornalistas?
Também, mas não só.
Os interesses – não só os económicos – é que determinam as regras do jogo."
Lido ontem aqui http://outramargem-visor.blogspot.pt/2014/08/na-figueira-partir-daqui-so-se-fizer.html

Carlos Móia

Anónimo disse...

A maioria daqueles que teem a responsabilidade de informar estão confinados aos caciques que pagam, porque os tachos não são para perder.
A carapuça serve a quem a quiser enfiar mas os lambe botas gravitam por todo o lado.
Abração camarada.