.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Não percebo nada de política, mas…

Conforme já disse, escrevi e repito, não percebo nada de política. 
Mas, confesso, perturba-me esta história,  que nos querem impingir, dos partidos da governação, os chamados “partidos do arco do poder”, leia-se PS, PSD e CDS. 
A ver se nos entendemos: os auto intitulados partidos do "arco do poder" explicam-nos que devemos continuar a votar neles porque são eles que têm governado o país, e votar noutros partidos é um voto desperdiçado, sem utilidade. 
Nós chegámos onde chegámos, porque estes partidos nos governaram de tal forma mal que voltámos a estender a mão ao FMI (pela terceira vez desde que nos governam), mas devemos voltar a votar neles porque são eles que nos têm governado e que estão em melhores condições de o continuar a fazer. 
Simples: na sua douta opinião,  os portugueses devem votar nas mesmas políticas que nos levaram ao actual buraco, porque são precisamente elas que nos vão voltar a fazer sair dele!..
Este “arco”, “da governação” ou da “governabilidade” – que sendo conceitos diferentes tendem a ser amalgamados no mais extremista – pretende estabelecer a fronteira intransponível entre os partidos agraciados com o poder de governar e os outros, ditos de “contestação” e que servirão para assegurar o pluralismo formal assim se respeitando, para descanso das consciências, o funcionamento da democracia.
Percorrendo este caminho autoritário, os políticos que mandam enchem a boca com a palavra democracia,  aviltando a democracia.
Pelos resultados concretos obtidos nos últimos 37 anos, quanto a mim, que como já escrevi e repito, não percebo nada de política, mais do que partidos da governação, PS, PSD e CDS foram e são, partidos da desgovernação.
O que divide os blocos que formam o “arco”?
As designações, os passados, divergências tácticas dependendo das situações de governo e oposição.
O  que os une?
O sistema de alternância e de convergência governamental quando esta é necessária, a subserviência em relação às “leis do mercado” e a prática económica e política neoliberal, realidade cada vez mais óbvia quando observamos como a austeridade, uma política intocável independentemente dos rótulos de quem governa, vai liquidando os Estados Sociais, ou o que deles resta.
Este é o “arco da governação” ou da “governabilidade”.
Conclusão e moral da história para os portugueses (se é que esta história tem moral!...): quando a cabeça não tem juízo, o corpo é que paga…
Para mim, que repito e confesso, não percebo nada de política, o “arco” “da governação” ou “da governabilidade”  não passa de  uma versão mitigada da mentalidade de partido único.

Sem comentários: