.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

segunda-feira, 30 de abril de 2012

A explicação para a vitória de um emblema que este ano jogou sem treinador!...

O acto de mastigar pastilha elástica pode não ser esteticamente belo,
mas são poucos  os seres humanos que nunca o fizeram
.
Se quisermos entender as opções táticas de Jorge Jesus ao longo da época é importante saber qual o sabor daquelas pastilhas elásticas que o nosso Rod Stewart da Musgueira está sempre a mastigar. 
Sabem a laranja, morango, menta, tutti-frutti? 
É um mistério. 
Sem informação, só me resta especular. Parece-me evidente que aquelas pastilhas têm mais importância no planeamento estratégico da época do que o próprio Jorge Jesus estará disposto a reconhecer. 
É natural, nenhum mágico (ou mestre da tácita) gosta de revelar os seus segredos. A minha teoria é a de que cada pastilha elástica do Jorge Jesus representa um jogador. Aposto que ele as mastiga (o chamado processo de assimilação) e depois as guarda, só para as poder usar naquele quadro que os treinadores mostram aos futebolistas para explicar movimentações da equipa. 
Cada um dá o que pode: os jogadores suam, o Jesus saliva. 
Percebem agora a minha insistência nos sabores? 
Aposto que a pastilha Capdevila lhe sabe mal, por alguma razão que só o mestre da tática entenderá, e por isso insistiu na pastilha Emerson. Este deve ser de mentol, tendo em conta os calafrios que provocou nos adeptos. 
As pessoas no futebol têm memória curta, mas eu ainda me lembro da forma como Jesus despediu o guarda-redes Quim: durante uma entrevista televisiva, sem sequer ter informado o jogador pessoalmente da sua decisão. 
Percebem a minha dificuldade em dissociar o treinador das pastilhas que mastiga? Não existe diferença entre o que ele fez ao Quim e atirar uma pastilha para o lixo. A teoria das pastilhas também explica esta época. Quando metemos uma pastilha na boca pela primeira vez, é colorida, saborosa, sumarenta; à medida que a vamos mastigando, torna-se esbranquiçada, seca, um pedacinho de plasticina entre os dentes. A metamorfose das pastilhas elásticas na boca de Jorge Jesus é semelhante à que ocorre nos próprios jogadores: à medida que o tempo passou, foram ficando pálidos, mortiços, colados ao relvado, obrigados a esticar-se até rebentarem. E assim chegamos ao fim da época: empatando tristemente com o Rio Ave e entregando o título de campeão a uma equipa que joga sem treinador. 
Vítor Pereira pode vir a ser recambiado para uma equipa russa por ser um bronco sem carisma, mas pelo menos teve a vantagem de não tratar os jogadores como o Jesus trata as pastilhas.

Via Bitaites

Sem comentários: