quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Isto é tão óbvio que até irrita...

O que verdadeiramente o BES fez, foi exactamente o que fez a D.Branca, só que tinha o suporte da CMVM. (...) 
No fundo quem se deve ficar a rir disto tudo é Ricardo Salgado! 
Esta intervenção de Paulo Morais diz tudo!

O poder das nódoas!..

"Lugares-chave da Misericórdia de Lisboa são ocupados por militantes do PSD e do CDS"... 

Não se trata propriamente de uma novidade, visto que a Santa Casa da Misericórdia de Llisboa é gerida há muitos anos, tanto pelo PSD, como pelo CDS e pelo PS, numa lógica partidária. 
Actualmente, porém, e tanto quanto é possível avaliar, esta lógica ganhou peso dentro da instituição. 
Entre os nomes conhecidos como próximos do provedor está também Lídio Lopes, um antigo vice-presidente da Câmara da Figueira e até há pouco líder histórico da concelhia local do PSD, que ocupa as funções de subdirector do Departamento de Qualidade e Inovação da Misericórdia.

Que não se confunda então a "preguiça" com a preguiça...

....  são os votos do eng. Daniel Santos expressos na crónica de hoje no jornal AS BEIRAS, que pode ser lida clicando aqui.

Se não foi o Zandinga...

Muito antes da Maya e as suas cartas, os Portugueses sabiam do futuro através das palavras de Lesagi Zandinga, um tárologo/bruxo/vidente que aparecia em tudo o que era programa de televisão com as suas previsões do ano que iria começar.
Mas já não estamos nos anos 80 do século passado...
Entretanto, o Zandinga desapareceu da circulação...
Por isso, como poderia a PT na passada 5ª feira ter conhecimento de uma decisão que o governo apenas tomou no fim de semana?
A propósito: sabem “quem sobreviveu melhor ao naufrágio do BES?”...

“Representante do Crédit Agricole na administração do BES não deu por nada”...

Sei de bancos – bons ou maus – praticamente o que sei sobre futebol.
Ou seja, o mínimo possível: sei que existe uma bola redonda, duas balizas, um campo onde 22 jogadores andam a correr e a procurar dar pontapés na bola. E há três fulanos que tentam regular aquilo...
Ainda bem que um ignorante como eu não tem onde cair morto...
Isto, pensei eu com os meus botões, depois de ler no jornal i o que transcrevo abaixo...

“O vice-presidente do Crédit Agricole, o banco que agora se considera "traído" pela família Espírito Santo, com quem mantinha uma das mais antigas alianças, era também o vice-presidente do conselho de administração do BES. Bruno Bernard Marie Joseph de Laage de Meux estava mesmo ali ao lado, mas nunca deu por nada.
Licenciado pela Écoles des Hautes Études Commerciales e MBA pelo INSEAD, foi desde 2006 administrador e membro do Comité Estratégico Crédit Agricole, o banco que ontem ameaçou levar tudo para os tribunais.
"Nós só podemos lamentar ter sido enganados por uma família com quem temos tentado construir uma parceria há anos", afirmou ontem o presidente executivo do Crédit Agricole, Jean-Paul Chifflet, um dos accionistas mais antigos do BES, que com a sua posição de 14,6% perdeu 708 milhões de euros depois do resgate do grupo bancário pelo Estado.
Jean-Paul Chifflet aguarda o resultado das auditorias em curso para decidir se avança ou não com processos judiciais contra a anterior gestão do BES. O que não deixa de ser irónico.”

"Memória meteorológica é algo que ninguém tem"

foto António Agostinho
"Houve verões piores do que este, certamente - e não foram poucos - mas, destituído de memória metereológica como toda a gente, gostaria de registar que, de todos os verões de que me lembro, este é, de longe, o pior de todos."
MEC