"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

terça-feira, 3 de agosto de 2021

Un pur moment de bonheur... Merci !

Ontem, ao almoço a sobremesa foi melão. Enquanto esperava cheguei a uma conclusão.
Na vida, há quem prefira procurar a matéria criativa na infelicidade e na desventura. 
Talvez porque a infelicidade é uma experiência mais rica e mais intensa que a felicidade. Ou, quem sabe, talvez haja outra razão que consiste na percepção que a felicidade é um fim. 

Quando uma pessoa se sente feliz, isso já é um apogeu. 
Em contrapartida, a desventura tem de ser transmutada em algo de diferente. 
Quase não existe poesia de felicidade. Também não parece que tenham existido muitos prosadores felizes.
 
Ao longo da vida, tenho encontrado pessoas infelizes.  Se calhar como somos todos. A felicidade, como um dever, não é uma coisa que se imponha. 
Contudo, todos temos o dever de ser felizes.
Todavia, esse é um dever que na vida da maioria de nós, vá lá saber-se porquê, fica quase sempre por cumprir.

Quando o nosso conhecimento depende das palavras dos outros e fazemos julgamentos de caracter dessa forma redutora, não há maneira de se determinar se o que dizem é tudo ou apenas uma parte. Mais ainda: não se pode entender como é possível, a quem quer que seja, objectivar sentenças sobre os outros: sobre o desejo do desejo, o tempo do tempo, a felicidade da felicidade. 
Mas, tudo bem... Tudo bem mesmo.

O António Lobo Antunes chega a muita gente, é importante. 
O que escrevo, tal como eu sou, é insignificante.
Ninguém se sente bem com a insignificância. Mas é impossível todos chegarmos a todos.
E por todos tentarem chegar a todos, somos por vezes atropelados por coisas que jamais seremos capazes de comprender.

A vida é feita de escolhas: ou entramos na luta insensata para chegar a mais e mais pessoas,  pois isso poderá trazer-nos satisfação e essa coisa indefinível: a felicidade.
Ou então, optamos por nos deliciar com as pequenas coisas sem importância e que não significam nada.
Todavia, há uma terceira opção. Podemos resumir tudo numa pessoa.
E ser importante para essa pessoa é melhor do que tudo o que se possa desejar.
É por isso que a vida sem amor é difícil demais para ser vivida.

Caro leitor(a) que chegou até aqui: a culpa deste texto foi da espera da sobremesa do almoço de ontem. 
Que o mesmo é dizer: do melão.

Sem comentários: