Sou o senhor de meu destino; Sou o capitão de minha alma.” William Ernest Henley

quarta-feira, 4 de agosto de 2021

Querem mais do mesmo, nas próximas autárquicas? Bom proveito...

O tempo que passa na Figueira está a ser maçador e deprimente.
Sente-se no clima crispado que anda no ar. 
Muito boa gente anda com os nervos em franja, o que não é saudável para ninguém.
Quanto menos tempo falta para o dia 26 de Setembro, maior vai ser o sacrifício, menor vai ser o debate e maior vai ser a desilusão e a vergonha. 
A campanha de Santana Lopes perdeu gás e está sem interesse. 
Esvaziou-se: o que não constitui surpresa, pois resume-se a ele. Sem ele não há mais nada na candidaura que encabeça para a Câmara Municipal. Santana, porém, está desgastado e já não tem segredos.  
A personagem que vestiu durante décadas resume-se em muito pouco: a história da ambição falhada.
Santana passou por quase tudo: pelos partidos, pelo governo, pelas autarquias, pelos jornais, pela televisão, pelo futebol e pela "noite de Lisboa"
Para vir a acabar na Figueira!.. Por amor, ao que diz. Santana, pelos vistos, tem muito a ver comigo: também é lírico.
A mim, o lirismo já me acabou com muita coisa. A ele pode comprometer-lhe as expectaivas que ainda tenha para o futuro da carreira política.

Como habitualmente, os partidos do regime, PS e PSD mostram-se incapazes de apresentar propostas novas, exequíveis e concretas.
O PS, incapaz de apresentar uma liderança credível e confiável, poderia disfarçar com uma equipa forte que camuflasse as debilidades do líder.
Neste momento, este PS municipalista local só está a tentar segurar o poder, custe o que custar, pois se assim não acontecer será uma calamidade para o PS Figueira. Melhor: para muita gente habituada a comer da manjedoura municipal há mais de um dezena de anos. 

O PSD, que tinha expecativas altas, fruto da campanha eleitoral que estava a realizar, espalhou-se ao comprido onde costuma ser habitual: na feitura das listas.
Ficou patente que na escolha de nomes para as autárquicas, há muito mais  coisas em jogo: nomeadamente, há quem esteja já a pensar em 2023, ano de legislativas.
Nada de novo. 

Contudo, se os figueirenses assim o quisesssem estaria tudo em aberto. 
Além das três candidaturas já abordadas, os figueirenses têm outras opções: CDS, CDU e Bloco. 
Passam os anos e as décadas e os partidos do arco do poder na Figueira não evoluem nada. Aquilo que realmente interessa aos figueirenses, não é o que interessa aos protaganonistas principais.
Infelizmente, esse estado de coisas não vai acabar a 26 de Setembro próximo. 
Vai prolongar-se e, possivelmente,  aumentar.

A  incapacidade  em discutir Política vai continuar. Não é que não haja ideologias:  há-as, mas dá muito trabalho fazer os trabalhos de casa para haver discussão séria. Interessa é que a política figueirense continue asséptica, inodora e incolor. 
Isso é fundamental, para a sobrevivência dos interesses tribais e individuais, que passsam pelos resultados eleitorais, sem interessar, por isso é omitido, que estes, muitas vezes, são indissociáveis dos processos, por vezes pouco edificantes, como  foram alcançados. 
A política é substituída pela técnica e pelos golpes baixos, os políticos pelas estrelas, as ideias pela competência, que se passa a medir apenas pelo sucesso e pelos resultados eleitorais conseguidos. 
A constituição das listas, conhecida recentemente, fala por si.

É óbvio e indesmentível, que precisamos de gente tecnicamente competente. 

Contudo, nestes dias de profunda agitação, quase  vendaval, que se estão a viver na Figueira, lembro: numa autarquia, toda e qualquer decisão técnica é, também, política. A Política, não se resume apenas a resultados eleitorais. A Política passa por desígnios, objectivos de longo prazo, ideias e projectos. 

A Figueira está a ser muita mal gerida. E vai continuar. Os tiques autoritários continuam todos. As pessoas, basta-lhes o cheiro do poder para ficarem diferentes. Para mim, entre os três que são apontados como venecedores, passsou-me a ser indeferente quem perde ou quem ganha.
 
É verdade que a Figueira, com esta equipa actualmente no poder autárquico, está muito mal gerida. Porém, não tenho de pactuar com a falta de ideias, o vazio gerador de falsos consensos, num concelho que anda a fugir, há décadas, ao verdadeiro debate.
Tem sido isso mesmo, que tem permitido a governaça dos partidos do bloco central - PS e PSD - ao longo de mais de 4 décadas, com os resultados de todos conhecidos.
Querem mais do mesmo? Bom proveito vos faça...

Sem comentários: