Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

sábado, 26 de setembro de 2020

Autárquicas 2021: ponto da situação em Setembro de 2020

Na minha opinião, temos um problema grave na sociedade figueirense. 
Não é novo. Faz parte da nossa idiossincrasia. Falo da falta de cultura para o exercício da cidadania no nosso concelho. 
Pouca gente se arrisca a discordar. 
Na maior parte dos casos, por medo.
Sem ela, o povo é um joguete na mão dos caciques.

Breve ponto da situação nos bastidores da política concelhia.

1. Nos subterrâneos da política local, há uma onda de agitação a percorrer o concelho político de lés a lés, que já está a deixar mossa.

2. Para além dos Paços do Município, em freguesias como Quiaios, Alhadas, S. Pedro, Lavos estão a acontecer coisas. Umas, já começaram a ser notícia, outras vão sê-lo em breve.

3. A um ano do acto eleitoral é uma situação normal.

4. Assim como é normal que quem usa a militância partidária como meio para obter benefícios pessoais, se desoriente quando ocorrem divisões no seio dos partidos, não sabendo em que cavalo apostar para garantir o tacho...

Municipal José Bento Pessoa: um dos cartões de visita mais negativos da cidade.
Foto Celso Silva/Digiart, via Marcha do Vapor

Decorridos mais de 40 anos de poder autárquico democrático, continuamos com muitos problemas por resolver na Figueira. 
Um deles, tem a ver com a classe política que nos tem governado... E a culpa também é nossa. Eleição após eleição, temos caucionado com o nosso voto a troca de valores e princípios, que deviam ser sólidos, por conveniências de circunstância.

As eleições autárquicas, não torna ninguém hipócrita. As eleições autárquicas, mostram é até que ponto somos hipócritas.
Passamos a vida a reclamar: no momento do voto, colocamos sempre a cruzinha nos mesmos...

Sem comentários: