.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

quinta-feira, 22 de março de 2018

E o presidente, João Ataíde, disse que a oposição podia aceder à informação consultando os processos no urbanismo!

Legenda da foto: nu discreto feminino. As minhas amigas que me perdoem, mas este é um blogue aberto, mas sem esconder a sua matriz... Vá, lá, não façam essa cara feia, que a foto é bem bonita!..
Quem, como eu, teve a pachorra de acompanhar, via internet, a última reunião de Câmara, teve bastos momentos de puro divertimento.
Um deles, foi quando a oposição quis saber «a data em que deram entrada os pedidos de licenciamento dos dois hipermercados, um junto ao AKI, na zona da Várzea, e outro junto à PSP, cujos processos estão pendentes na autarquia." 
«Houve redução do corredor verde na revisão do PDM (Plano Diretor Municipal), nessas zonas. Portanto, se não tivessem aberto estas áreas de construção, de certeza que estas unidades não se podiam implementar», afirmou Carlos Tenreiro, vereador do PSD. 
A vereadora Ana Carvalho, porém, chutou para canto: «os corredores verdes foram definidos em função das zonas de cheia e linhas de água. Não houve outro interesse. Ao condicionarmos um terreno como parque verde sem nenhum argumento ambiental é complicado porque os proprietários ficam condicionados. Não podemos exigir jardins em terrenos privados. É natural que em algum sítio coincida com procura de um privado, como também acontece ao contrário e houve sítios em que houve reclamações de proprietários que deixaram de ter capacidade construtiva», disse a senhora veeradora Ana Carvalho.
E, disse mais: «chegou a realçar que reduziram o solo urbanizável no concelho em «47%»
Miguel Babo, da oposição, discordou da senhora veradora do urbanismo, defendendo que não deve ser apenas tido em conta as linhas de água. 
«Estas zonas verdes estiveram aqui até hoje, é uma zona clássica e, de uma forma geral, não concordo com a argumentação de retirar porque se reclama. A especulação imobiliária pode vir e estas superfícies fazem pressão e faz parte da nossa função chamar a atenção sobre isso. A nossa crítica é que esta alteração do PDM possibilitou esta proliferação. Mas, se efetivamente estivesse combinado isso antes da revisão do PDM, isso sim era grave», sublinhou Miguel Babo. 
Este assunto, aliás, levou mesmo a um momento crispado entre o vereador Carlos Tenreiro, que insistiu em saber a data dos pedidos de licenciamento, e o presidente, João Ataíde, que disse que a oposição podia aceder a essa informação consultando os processos no urbanismo. 
«Isto não é a minha vida, para ter esse tempo», disse CarlosTenreiro. 
«E a minha não é ser seu escriturário», retorquiu João Ataíde. 
«Ficam desconfortados com a pergunta. Ninguém pode dizer nada, parece que são uns vidrinhos…», respondeu Carlos Tenreiro. 
«O senhor é que já está a antecipar resultados» ripostou Ataíde.
A pergunta que interessava, porém, "a data em que deram entrada os pedidos de licenciamento dos dois hipermercados, um junto ao AKI, na zona da Várzea, e outro junto à PSP, cujos processos estão pendentes na autarquia",  essa, lamentavelmente, ficou, atá ao momento,  sem resposta.
Contudo, o presidente, João Ataíde, disse que a oposição podia aceder à informação consultando os processos no urbanismo... 
Claro que sim, mau seria se houvesse algo a esconder.
Para mim, está tudo claríssimo... 

Sem comentários: