.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

A dignidade de um país está no seu âmago. O próprio é que se pode tornar indigno...

Construído nos anos 20 por um emigrante português regressado do Brasil, o 125 da Rua Antero de Quental foi "tomado" pelo governo de António Salazar para ali instalar a PIDE/DGS de Coimbra. Após o 25 de Abril, entre outros serviços do Estado, esteve lá um centro de saúde de Celas. Em 2013, voltou às páginas dos jornais: estava à venda por €1,950 milhões. Houve indignação, ali deveria estar um museu, ou algo do género, em memória do que ali se passou. Alberto Martins, histórico deputado do PS, e António Marinho e Pinto, eurodeputado, foram dois dos estudantes de Coimbra presos no edifício.
Na revista SÁBADO desta semana contam como foram essas noites negras da sua biografia.

Cito Samuel Quedas
"É assim que um país, um povo e a sua História se tornam irrelevantes no contexto universal. Não pela sua menor dimensão, ou pouca riqueza… mas por se deixarem governar, por demasiado tempo, por gente menor, rasteira, venal e corrupta, que não respeita a sua cultura e a sua História.
Gente sem uma pista que seja sobre o que significa a dignidade colectiva. 
Gente que é capaz de, por meia dúzia de euros, vender a mãe ou as filhas no bordel do lucro fácil dos "mercados"… e gabar-se de o ter feito."

2 comentários:

Zéfoz disse...

Um país que tem gente "responsável" que apoia ordenados milionários de gestores, enquanto o povo trabalhador tem salários de miséria...

A Arte de Furtar disse...

“Um povo sem memória. É um povo sem futuro”

Hesitei em escrever este texto. Porque tenho receio de ser mal interpretado e porque vou falar na primeira pessoa.
Conheci essa casa habitada por PIDE´s. O meu irmão mais velho esteve lá “retido” durante dois dias. Evito contar a situação. Más memórias.

Mas tal como já aqui escrevi sobre o forte de Peniche e a eventualidade de lá ser construída uma pousada, hotel, ou lá o que seja, prefiro que o espaço seja ocupado, a um ter um edifício em ruínas ou com um “Museu da Memória” que é um “Museu da Miséria”. Não homenageia os presos e perseguidos, não preserva a memória.

E Estado e as autarquias não são entidades preocupadas com a Memória. É um tudo um bluff! Que pior exemplo pode haver quando em 2010 se comemoraram os 100 anos da República e no ano seguinte os desmemoriados PAF´s – Cavaco, Passos, Portas e toda a cambada, acabaram com o feriado do 5 de Outubro?

Que maior vergonha pode haver quando foi um Homem, que sozinho, lutou publicamente contra o fim do 5 de Outubro e do 1 de Dezembro. Homenageio o DR. JOSÉ RIBEIRO E CASTRO!

Termino porque estou triste e cansado de ler este tipo de notícias e de ver que o estado democrático fez pouco, muito, muito pouco, para preservar a Memória dos que lutaram pela Liberdade!