.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

sábado, 25 de janeiro de 2014

Uma coisa é certa: é um texto com muita piada...

“As estradas e a Serra”, uma crónica de João Vaz, consultor de ambiente e sustentabilidade, publicada hoje nas Beiras:
“Há ainda ruas e estradas municipais esburacadas e em mau estado de conservação, algumas mal sinalizadas e perigosas.
Os prejuízos são evidentes, a mecânica do carro sofre, o bolso do contribuinte também, aumenta a insegurança rodoviária.
A Câmara é responsável por tapar buracos, mas não o consegue fazer a tempo e horas. Faltará mais organização (tapar o buraco antes que surja a cratera, fechar fissuras para que não entre água) e, acima de tudo, não há dinheiro. O serviço da dívida é um garrote: 8 milhões de euros por ano, fruto de vários anos de “buracos” e má gestão (1997-2009).
Uma parte dos 28 quilómetros das estradas da Serra Boa Viagem também estão em mau estado, há mais de 20 anos, apesar do reduzido tráfego e uso. A Autoridade Nacional da Floresta (o Estado central) deveria reparar uma parte destas vias, tornando-as transitáveis, mas não o faz, por falta de recursos, imagino eu.
Quem poderá fazer algo para melhorar as estradas da Serra são os deputados na AR, influenciando o Governo (PSD/CDS) para que haja verba.
A oposição (PSD) insiste desde a campanha eleitoral que as estradas da Serra não são reparadas porque alguém (quem será?), na estrutura dirigente da Câmara, bloqueia esta pretensão.
Hipoteticamente teríamos um ”ecologista profundo” descolonizando-a da presença humana! Contudo, tal pessoa não existe na Figueira. Todos queremos passear pelas estradas da Serra, sem buracos, entre as folhas no chão e as giestas selvagens.”

Depois de ler esta crónica, o que aconteceu há segundos, confesso:
1. Fiquei espantado por haver  “estradas municipais esburacadas”;
2. Fiquei espantado “por a Câmara ser responsável por tapar buracos”;
3. Fiquei espantado por haver “a necessidade de mais organização – tem-se de tapar o buraco, antes que surja a cratera”;
4. Fiquei espantado por “uma parte dos 28 quilómetros das estradas da Serra Boa Viagem também estarem em mau estado, há mais de 20 anos, apesar do reduzido tráfego e uso”;
5. Fiquei espantado “com a falta de empenho dos deputados da AR”;
6. Fiquei espantado com “a insistência da oposição (PSD)”;
7. Fiquei espantado por “todos querermos passear pelas estradas da Serra, sem buracos, entre as folhas no chão e as giestas selvagens.”
8. Fiquei espantado, sobretudo, com a inexistência de um ”ecologista profundo”.

Resumindo e concluindo.
Alguma vez sentiram, ao ler um romance traduzido para português, que simplesmente não o conseguem compreender?
Por mais vezes que o releiam, ele é incompreensível, ilógico ou não se enquadra no contexto em que está inserido.
Tratando-se de uma obra literária de qualidade, o mais provável culpado será o tradutor. 
No caso da crónica acima, porém, o mais provável culpado pela incompreensão, só posso ser eu – leitor impreparado e limitado.

2 comentários:

Anónimo disse...

Realmente grande descoberta já que ninguem sabia isso porra camarada este sr. descobriu a polvora.Só não descobriu onde foram arranjar os 80 mil euros para investir no parque do hospital.

Julião disse...

Ainda há quem diga que não consegue entender a escrita do Lobo Antunes!