terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Cova

Como teoria de senso comum, poderíamos avançar com o argumento: a Cova-Gala é o sítio onde vivem os covagaleneses.
É claro que, por si só, esta tese não é válida, pois na Cova-Gala não vivem só covagalenses.
A Cova-Gala é um sítio, portanto, um espaço.
Esta tese merece algum interesse. No entanto, não será só o espaço e o sítio que definirá a Cova-Gala.
A Cova-Gala, é um território que constitui uma unidade cultural e política, espaço demarcado dotado de uma idiossincrasia própria, herdada pelo passado.
"As pequenas povoações piscatórias eram caracterizadas por construções primitivas de madeira, erguidas por estacaria e denominadas de palheiros. A pesca foi a actividade principal destas populações. A necessidade de não se distanciarem do mar obrigava-as a construções adaptadas às condições de instabilidade do terreno para vencerem a dinâmica litoral inerente à acção dos ventos e do mar. A povoação Cova de Lavos foi um exemplo típico desse tipo de aglomerado de palheiros. Hoje apenas denominada de Cova, a povoação lembrava uma aldeia lacustre construída sobre uma depressão dunar, em frente ao mar.
Os palheiros da Cova, disseminados por vezes em arruamentos, foram sempre de forma rectangular e chegaram a totalizar as cinco centenas de habitações."

1 comentário:

amordemadrugada disse...

olá outra margem!
Desejo a todos um natal felicissimo e que 2009 venha repleto de coisinhas boas...para todos vos
beijito