"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Bom, a Figueira já foi rainha e ainda há princesas!...


Um conto de fadas de Jot´Alves, que se espera tenha um final feliz, hoje, no diário as Beiras.

Só lido!...

“A história do porto comercial da Figueira tem conhecido vários estádios de evolução. O actual é dos melhores de sempre e o futuro reserva-lhe tempos ainda mais auspiciosos.
Com o aumento do poder de compra dos portugueses
, ao mesmo tempo que novos destinos turísticos se afirmam como alternativas competitivas, o turismo tem vindo a perder peso na economia da Figueira da Foz. Nos últimos 30 anos, a cidade também perdeu parte substancial da sua frota pesqueira e viu praticamente desaparecer a sua indústria naval.
Porém, os novos tempos trouxeram consigo o ressurgimento dos estaleiros, enquanto a pesca se redirecciona e se projectam novas unidades hoteleiras. Em paralelo, rasgam-se montes e vales para abrir caminho a auto-estradas. O futuro é portanto promissor e o porto comercial volta a ter um papel fundamental no processo de desenvolvimento.
Desta vez, a estrutura não vai perder a oportunidade para se afirmar como plataforma logística que fará girar em seu torno a região. Entretanto, instalam-se no concelho novas unidades industriais, enquanto outras já implantadas anunciam o aumento da produção. Este poderá ser o início da idade de ouro do porto, a partir do qual a Figueira cresceu e se desenvolveu. Os ventos de mudança que sopram da Europa da União são-lhe favoráveis, é certo - Bruxelas está a apostar nas “auto-estradas marítimas, por questões ambientais e económicas. Não obstante, a comunidade, as autoridades e as forças partidárias locais e portuária têm o mérito de pressionarem o poder central no sentido de que sejam feitos investimentos que permitam uma maior competitividade. Nomeadamente, melhorando a navegabilidade no interior da barra e, sobretudo, as condições de acesso ao porto, tornando-o, assim, mais competitivo.
Agora, só falta cumprir o prometido: fazer as obras.”

2 comentários:

Anónimo disse...

Este Jot'Alves, é um autêntico sonâmbulo, ou visionário.
Anda a sonhar ou então deve ter chegado agora do Bangladesh.
Diz ele que com o "aumento do poder de compra dos portugueses"...ou queria dizer com o aumento do endividadmento?
Auto-estradas marítimas?
Para que navios? Estes mini que aqui aportam?
Que novas unidades industriais é que se estão a implantar no concelho? Neste concelho?
Rasgam-se montes e vales...
Isto parece o hino da grande marcha no mao-tsé ting.
Acorde, criatura!

Anónimo disse...

Ora, realmente...
Visões do alto da ponte?..
Contos de fadas, ou mera fantasia?
Ainda nos vamos perder neste mundo de magia....