segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Cerca de um ano depois da última reunião, está reunida no Hotel Mercure a Comissão Concelhia da Figueira da Foz do PS!..

A força da natureza é impressionante e não pára de nos surpreender. 
É algo de indomável e que surge com toda a sua força quando menos se espera.
E não avisa!..
As eleições autárquicas devem acontecer lá para outubro, do próximo ano...
Mas, atendendo a experiências anteriores, lá para fevereiro deverá estar pronta a ser votada a lista para a Câmara... 

Saudemos o novo comentador na imprensa escrita figueirense...

Teotónio Cavaco – Deputado municipal do PSD
Acerca da adequação do palanque, nada a dizer.
Quanto às palavras, vou ficar atento.
Para já, noto que as folhas secas estão a deixar a cidade...

À homem do catano...

Pelo menos, se isto for verdade, que eu saiba, deve ter sido a única pessoa que, neste país, nos últimos anos, pagou decentemente a quem escreve...

Declaração de interesses.
Estou perfeitamente à vontadinha: há mais de 40 anos que ando escrever de borla.

Tudo tem uma explicação. Mas, na Figueira, para o que não tem, existe uma palavra: milagre!..

Via AS BEIRAS, fiquei a saber que na primeira edição, a CRIATIVA reuniu cerca de três centenas de criadores. Na segunda, porém, o número desceu para menos de metade. A terceira, por sua vez, deverá juntar duas centenas. Mas esta é diferente das duas anteriores: em vez de se concentrar em três dias seguidos, dispersa-se no tempo e no espaço, para se reinventar e sobreviver.
“A CRIATIVA tem-se vindo a esvaziar”, afirmou o vereador António Tavares, na inauguração da referida mostra, no sábado. O autarca acrescentou que o evento teve de ser repensado, para voltar a atrair os jovens criadores figueirenses. Assim, o encontro prolonga-se até 4 de junho, com exposições temáticas seccionadas. A fotografia mostra-se ainda no Núcleo Museológico do Mar, até 3 de fevereiro, com a exposição “Uma mesa no mar”, de Maria Inês Mendes.
Por sua vez, o fotojornalista Pedro Agostinho Cruz leva a exposição “Olívia Ribau” ao Núcleo Museológico do Mar, de 14 de fevereiro a 2 de junho. O título remete-nos para o naufrágio do pesqueiro que em outubro de 2015 provocou a morte de cinco dos sete pescadores que seguiam a bordo, acidente que aconteceu à entrada da barra da Figueira da Foz.
Ainda segundo o que li no jornal AS BEIRAS o programa é flexível.
Assim, a  música tem palco reservado, em fevereiro, no Centro de Artes e Espectáculos, com os ciclos “Café com arte” e “Jardins de inverno”
O programa ainda não está fechado, o que abre a porta a outros eventos e outros espaços. Também há lugar para a literatura, nos dias 24 e 25 de março, com a Feira do Livro do Autor Figueirense. E para a dança, no dia 29 de abril, na forma de visita guiada dançada ao Museu Municipal Santos Rocha.
Por último, o programa provisório agendou as artes plásticas para o período de 29 de abril a 4 de junho, através de uma exposição colectiva, no citado museu. Poderão ainda ser inseridos o cinema, o teatro e a multimédia. “Este figurino pode ser um incentivo” para que haja mais participantes, defendeu António Tavares. Os artistas e criadores podem ser amadores ou profissionais, desde que sejam jovens e tenham nascido na Figueira da Foz.

A erosão costeira e o Programa da Orla Costeira (POC)

foto António Agostinho
tiro-no-pé faz POC
- Via SOS CABEDELO

MOVIMENTO SOS CABEDELO DENUNCIA O DEFICIENTE FUNCIONAMENTO DO POC

- Via SURTOTAL

SURFISTAS DENUNCIAM POC NOS AÇORES

- Via BEACHCAM 

O pormenor que está a faltar: comprem duas motos de água...

Via António Durão, tomei conhecimento destas imagens.
O conteúdo pode ser lido aqui.
"Está a escapar-me alguma coisa?", perguntou ele no facebook.
Só pode estar mesmo a escapar alguma coisa, não só ao António Durão, como a todos nós...
Acredito que haja ainda inúmeros pormenores a considerar. 
Fazer a promoção de um produto como o surf, não é tarefa fácil. 

É preciso saber-se. 
Muitos dirão: isso é um preciosismo. 
Será!.. 
Mas, as coisas únicas não são exactamente isso: preciosas?

Pelos vistos, a Figueira é um milagre, mas a folha continua em branco…
É preciso estratégia. Por exemplo, "a onda de Buarcos não estava no PENT, foram os cidadãos que a meteram lá e a Câmara nem sequer subscreveu a iniciativa nem nada disse para o PENT", como sublinhou em devido tempo Miguel Figueira
Na Figueira,  "nas comemorações do Dia Mundial do Turismo , a iniciativa na Figueira é andar de bicicleta."
Nada tendo  contra as bicicletas, tal como o Miguel Figueira, pergunto: "mas então e as ondas?"..

O que escapou a  António Durão talvez possa ser explicado, simplesmente, por a Figueira ser sempre a Figueira.
Quem tem passado pela Câmara Municipal da Figueira da Foz, privilegiou e espectáculo, em vez do planeamento e do trabalho.
Por exemplo, João Ataíde traz, de vez em quando,  o tal de Garrett McNamara, que há alguns anos vive entre o Havai e a Nazaré, à Figueira da Foz para aparecer em fotos...
Ao menos, a Câmara que compre duas motos de água para ajudar o tal de McNamara a surfar a tal onda...