.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

Rio a rir?..

Estrategicamente falando, Luís Montenegro colocou-se exactamente no lugar onde Rui Rio desejava que ele se colocasse.
Vejamos.


"A saída borda fora de Santana foi má conselheira para Montenegro. Transmitiu-lhe a sensação de ser o líder único da oposição interna. Um erro de que não tardará a aperceber-se. 
Loucura foi a palavra usada por Marcelo Rebelo de Sousa para classificar a possibilidade de mais uma crise no PSD. Kamikaze é a palavra que julgo mais adequada para adjectivar o pretenso ultimato de Luís Montenegro a Rui Rio. Pretenso porque, como decorre da História, o ultimato é feito por quem dispõe de maior poder. Não é o caso. 
Por falar em História, não há dúvida de que a memória dos políticos é piedosamente selectiva. Só retém o que lhe convém. Talvez por isso Montenegro já não se lembre de ter dito, quando abandonou o hemiciclo, que nunca faria a Rio o que Costa tinha feito a Seguro.
O problema é que ousou ir além de Costa. Não teve paciência para esperar pela primeira das três eleições que aí vêm.
Rui Rio desvalorizou o ultimato montenegrino atribuindo-o ao desejo de os seus apaniguados garantirem um lugar nas listas de candidatos aos próximos atos eleitorais. De facto, há, no PSD como nos outros partidos, militantes que não vivem para a política, mas da política. São os cargos que lhes alimentam muito mais do que o ego. Daí que seja a agenda pessoal a ditar a regra. Por isso a agitação que se vive em várias distritais.
Algo que ajuda a explicar o desafio publicamente lançado por Montenegro. Na verdade, o cisma provocado por Santana Lopes não deixará de fazer vítimas entre os seus antigos apoiantes. Rio não apostará em muitos deles. Um dado que os próprios dão por adquirido. Como tal, há que jogar na antecipação. Só que, a julgar pela reacção de personalidades que continuam a marcar a vida do partido o tiro vai sair pela culatra." 
José Pinto

Sem comentários: