.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

quinta-feira, 15 de março de 2012

Nos 18 anos do Diário As Beiras

Não estão fáceis os tempos para o negócio da Imprensa. Tão-pouco para o exercício do jornalismo. Mas à angústia dos dias prefiro inquietação de sempre. Eu, que escrevo As Beiras todos os dias desde o primeiro. As Beiras é um caso raro de sobrevivência empresarial e editorial.

Em Coimbra, cidade e região de tradições na edição de jornais, mas também no cenário nacional, em que os diários de difusão local e regional se contam pelos dedos. No início, a energia militante de fazer uma cidade e um mundo novos foi determinante no romper de uma barreira de imobilismos locais. À frente, o Diário de Coimbra acumulava 60 e tal anos e não parecia disposto a arrojos. Ao lado, outro título valioso, o Jornal de Coimbra, vivia já o seu estertor. À parte, alguns cabeçalhos de quase nicho apenas existiam. A todos As Beiras trouxe desafios que nem todos souberam ou lograram vencer.

 Em 18 anos, o mundo e Coimbra mudaram e As Beiras também. É hoje um espaço de mais partilha e de muito mais responsabilidade. E é também uma referência incontornável de modernidade, num sector que, a este nível, se fica pela prudência.

Os desafios, agora, são ainda para o exterior, onde a presença interventiva e inovadora de As Beiras vai continuar a merecer receios e a provocar reacções concorrenciais nem sempre dignas. Mas são também para o interior, para os jornalistas e para todos os profissionais que sabem que só os mais inteligentes e os mais lúcidos são capazes de dotar-se da rija têmpera que os tempos difíceis exigem.

Paulo Marques, Jornalista, via Aventar

Sem comentários: