Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

domingo, 11 de março de 2012

No país da mansidão


De mansinho, conforme se pode ler na circular ao lado (para ler melhor clicar em cima da imagem), “Manso nomeia Manso”…
Dois dias depois, porém, “Manso demite Manso”…
Resumindo.
Manso (Ana) demitiu Manso (Francisco), dois dias depois de o ter nomeado e algumas horas depois de ter tido uma conversa com o Ministro da Saúde.
Há quem diga que foi o Ministro que mandou Manso demitir Manso.
Há, também,  a versão "romântica":  Manso demitiu Manso por ter chegado à conclusão de que tinha errado ao nomear o marido para auditar o Hospital que a mulher comanda.
Mas,  afinal, Manso só terá demitido Manso, porque o Ministro lhe disse que ou ela o demitia ou seria demitida também!
Entretanto, soube-se outra notícia: Manso (Francisco), que trabalhava como administrador hospitalar em Castelo Branco, foi transferido em Janeiro para a ULS da Guarda, que Manso (Ana) dirige.
Isto, só no país da mansidão...

Post cozinhado a partir daqui


Sem comentários: