.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

sábado, 24 de março de 2012

A Direita e a greve

Apesar de tudo, percebo que não seja fácil ser de Direita, nos dias de hoje. Antigamente, era tudo muito mais simples: o escravo era educado para ser escravo e via na comida que recebia uma bênção e nunca um direito e, até, poder dormir à noite era resultado da prodigalidade senhorial. 
Com o tempo, no entanto, os sacanas dos escarumbas aprenderam a ler e os maltrapilhos dos operários atreveram-se a perceber que eram seres humanos iguais, livres e fraternos. Ser de Direita tornou-se complicado, porque é difícil conviver com esta gentinha que não conhece o seu lugar, que se atreve a morder a mão do dono, mesmo quando o dono chicoteia, como, aliás, é sua prerrogativa. 
Sou de uma esquerda muito minha, não sou épico e, portanto, nada apocalíptico, quase nada catastrófico, porque sei que não posso resolver todos os problemas que me angustiam e porque os vou resolvendo a todos, quando digo uma piada ou quando me junto à mesa com amigos.
A história da luta pelos direitos dos trabalhadores, no entanto, é, efectivamente, uma epopeia e não há guerra de Tróia que se lhe compare nem Penélope que tanto tenha esperado. 
Diante dos incompetentes que fogem para Paris e deixam dívidas para pagar e na presença dos incompetentes que cobram essas dívidas a quem não as contraiu, a Direita queria, tão engraçada, que os descendentes dos escravos e os netos dos proletários não se revoltassem, que percebessem que a vida é assim, que se conformassem como ensina a Bíblia, que aceitassem que é inevitável. A Direita até já chegou ao ponto de defender, com uma desfaçatez cada vez maior, que se acabe com atrevimentos como o direito à greve, já que os outros direitos desapareceram quase todos.
A Direita que se recusa a ouvir o país, a Direita que pisa os cidadãos e que faz de conta que a História não existiu, nunca há-de perceber que instrumentos como a greve servem, por muitos abusos que haja, para enquadrar a revolta, para que o grito não se transforme em violência.

António Fernando Nabais

Sem comentários: