Sou o senhor de meu destino; Sou o capitão de minha alma.” William Ernest Henley

domingo, 10 de agosto de 2008

Indícios

Foto: Pedro Cruz
Obrigatoriamente, os dias que passam por estes lados, não têm de ser sinónimo de pensamento manipulado, alienado ou vazio, mas de reflexão.

Como está, então, neste mês de Agosto, a actividade dos comerciantes covagalenses, resultante do único pólo de interesse turístico que atrai pessoas a S. Pedro: a ocupação do metro quadrado das nossas praias...
Pelo menos, por aquilo que é do nosso conhecimento, este ano, aquele mês e meio que costuma decorrer entre Julho e Agosto, a chamada panaceia, para a difícil vida do comércio local, não está a cumprir o papel de almofada à crise.
Ao fim de semana, ainda se nota algum movimento. E no resto dos dias?
Não é com folclore que vamos lá.
Seria pertinente uma reflexão séria e aprofundada sobre a actividade comercial na Cova-Gala.
Noutra época do ano, claro.
Agora, é o tempo da caça ao voto.

Ontem à noite dei uma volta pela Freguesia: cerca das 22 horas, Cabedelo, às moscas. Avenidas 12 de Julho e Remígio Falcão Barreto, desertas. Alguma animação, apenas no parque de Merendas e no Pôr do Sol, na Praia do Hospital, o que é habitual ao sábado à noite.
Depois, dei corda aos sapatos e fui até à Praia de Mira, onde cheguei cerca das 23 horas.
Tudo diferente: milhares e milhares de pessoas nas ruas, largos e esplanadas. E animação. Bailes populares, bares com música ao vivo. E não só nas esplanadas à beira mar. Acreditem, a Praia de Mira, ontem, comparada com a Cova-Gala, parecia o País de António Guterres, onde as boas taxas de “cumprimento de férias” pareciam significar que a crise ainda não tinha chegado!..

Aqui por São Pedro, neste Verão, a crise é real.
Chegou. Já não estamos no tempo de Guterres, mas na realidade Socrates.
E as ideias e as soluções para os problemas concretos das pessoas não nascem nos arraiais!..
Mas, quer se queira quer não, as coisas vão mudar: até o PSD, cansado de Santana Lopes e Luís Filipe Menezes, que o mesmo é dizer, do Pontal e do Chão da Lagoa, escolheu Manuela Ferreira Leite...

1 comentário:

Anónimo disse...

A que comércio local se refere?
- Aos bares e restaurantes?
- às vendedeiras de hortaliças e às peixeiras?
- Aos ciganos das carpetes, cêdês, clçado, roupa interior e exterior?
- Ou a outros que não têm porta aberta?
- Alugueres?

Pode explicitar melhor?
Como se pode ajudar a atrair gente?

Covém não esqucer as tradições de veraneio. Há famílias que por tradição e há longos anos, há gerações, que passam férias no mesmo local.
ainda há quem faça praia em Agosto e termas em setembro. A Praia de Mira está nessa categoria de destinos de férias. Pedrógão, S. Pedro de Moel, Vieira, etc., também.
E aqui?
Nunca houve nada, não é a partir de agora que vai haver.
Nada a estranhar, portanto