sábado, 5 de janeiro de 2019

65

Sobrevivi. Mas, quanto de mim ficou pelo caminho?
Quando achamos que temos idade para saber todas as respostas, quantas vezes a vida nos muda todas as perguntas? 
E neste dia tão especial fica apenas um desejo: que continue a ter força e coragem para lutar pelos sonhos. Todos. Todos eles...
Hoje, sei bem o que não quero. 
Que venham os próximos 65, pois ainda existem muitas histórias por contar.
Mas a vida é tão frágil, tão repentina, tão traiçoeira...
O importante, pois não tenho intermináveis amanhãs para o fazer, é viver a vida como sempre quis.  
Espero que o que me rodeia mude. Por exemplo, tal como escreve hoje o João Vaz na sua habitual crónica dos sábados no DIÁRIO AS BEIRAS
"Como afirmou António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, temos 12 anos para reduzir as emissões de CO2 e impedir que a catástrofe climática se torne a realidade dos nossos netos.
Os políticos e decisores têm responsabilidades acrescidas. Devem dar o exemplo, mudar hábitos, fazer escolhas difíceis. Mas não é isso que está a acontecer. A evidência está ali estacionada em frente à Câmara da Figueira da Foz: o novo carro a gasóleo do presidente, um Volkswagen - uma empresa que andou anos a enganar as autoridades. Isto, quando em frente à câmara foi colocado um posto de carregamento rápido para carros eléctricos. Precisamos de outros líderes, mais ambiciosos e coerentes imbuídos do espírito a que António Guterres apela: Sejam responsáveis".
Por hoje tenho mais que fazer: vou andar por aí e estar com amigos e, à noite, jantar com a família.
Entretanto, fica o meu muito obrigado a todos os que fazem o favor de ser meus amigos. E muitos e muitas são. 
Obrigado. Façam também o favor de ser felizes.

Figueira da Foz, 1947...