sábado, 24 de agosto de 2013

Sobre "estrelinhas" - e sobre o pessoal que anda a dizer que "deixou de ler este blogue" por não concordar com as "estrelinhas"...

Não é um problema de opinião, de saber ou não saber.
É um problema civilizacional.
O leitor diante de um texto, pode ter várias atitudes: refletir, discordar, acrescentar algum conhecimento, etc.
Mas, não. Simplesmente, opta por não ler.
Mas, depois comenta o  que não leu!...
Pronto: essa é a diferença...
Não leu, mas não está  de acordo com o  que aparece no texto.
Ainda por cima  sente-se  lesado na sua condição de leitor que não lê!..
Sim, porque é nessa condição que ele escreve, se manifesta  e se queixa...
A  opinião do crítico não bate com a sua, o crítico deveria escrever  de acordo com o quer ler...
Resumindo: a crítica – como atitude perante o mundo – não é para consumidores, mas para cidadãos.
Só que,  o mundo,  está formatado mais para consumidores acéfalos e acrítcos  do que para cidadãos.
Azar o nosso...

Hoje, é um dia óptimo para recordar Manuel Fernandes Tomás, "O Patriarca da Liberdade"



Homenagem a Manuel Fernandes Tomás - "O Patriarca da Liberdade" 
PROGRAMA: 
Praça 8 de Maio 18H00 – Cerimónia Oficial de Homenagem; Deposição de coroa de flores na base do monumento. 
Centro de Artes e Espectáculos (CAE - pequeno auditório) 19H00 – Conferência pelo Prof. Doutor António Ventura: “Manuel Fernandes Tomás, a Maçonaria e a Revolução Liberal”

Um filme conhecido dos figueirenses que, porventura, tenham alguma memória...

O PSD está sempre a acusar o PS de gestão ruinosa e a vangloriar-se de pôr as contas em dia. Os laranjinhas deviam ser mais comedidos. Bastava olharem para Gaia, onde a gestão ruinosa de Meneses deixou a autarquia numa situação insustentável,  para  meterem a viola no saco. Mas vamos aos factos.
As megalomanias de Meneses obrigaram a autarquia a pedir um resgate ao governo de 22 milhões de euros que, no entanto,  não será suficiente para pagar as dívidas aos fornecedores.
Advinha-se, por isso, aumento dos impostos municipais para a taxa máxima e o fim da autonomia financeira de Vila Nova de Gaia, cujas despesas passarão, obrigatoriamente, a estar sujeitas a um visto prévio do ministério das finanças.
O PS deverá ganhar folgadamente a câmara de Gaia, mas será uma vitória amarga e à partida envenenada, pois vai herdar uma Câmara falida e sem autonomia financeira.
Claro que tudo isto será em 2015 aproveitado pelo governo para demonstrar que a gestão do PS é ruinosa e omitindo que o descalabro se deve à gestão do Meneses Laranja
Entretanto, do lado de lá do rio, os tripeiros embasbacados pelo trabalho de Meneses  em Gaia,  dão uma vitória clara a Meneses.  Sabem o que lhes irá acontecer, mas fingem ignorar e vão votar no PSD, seu clube político do coração. Dentro de uns anos sairão para a rua a gritar "Aqui d'el Rei, que  Lisboa quer mandar em nós!".(daqui)


Este, é um filme conhecido dos figueirenses que, porventura, tenham alguma memória.
Recordemos, por exemplo,  aqui e aqui, a situação financeira da câmara municipal da Figueira da Foz...
Mas, abusando um pouco mais da memória (o que para alguns e algumas é um esforço completamente impossível), viajamos, via À Beira Mar, até abril de 2006, já lá vão mais de 7 (sete) anos. 
Então, pelas contas do PS, uns redondinhos 82 milhões de euros era o montante da dívida do município da Figueira da Foz, incluindo a Câmara e as empresas municipais. Pelas contas de Duarte Silva, o presidente da altura, entretanto falecido, a dívida era "só" de 61 milhões. Uma justificação que colocava parte das dívidas das empresas municipais no passivo da Câmara.
Jogava-se com os números. Agora, como constatamos, alguém está a pagar a conta. Infelizmente, somos sempre os mesmos!
Alegava o executivo de então, que tinha reduzido as despesas em 11,1 por cento em relação a 2004. Contrapunha o PS que a dívida de curto prazo - coisa que, explicando, é o mesmo que deixar fornecedores a "arder" com o dinheirinho - tinha subido 500 por cento desde 2002.
Da dívida de médio e longo prazo - basicamente empréstimos que estão para pagar à banca - era melhor nem falar, para não assustar os mais impressionáveis.
Conforme constava pelos corredores camarários, a vertigem dos empréstimos começou por servir para pagar os gastos do "outro", sendo o outro o antecessor de Duarte Silva nos Paços do Concelho. Lembram-se dele? O senhor que foi primeiro-ministro deste país durante uns meses? Ele mesmo! Nos dias de então (estamos em abril de 2006) a capacidade de endividamento da autarquia estava esgotada. O "buraco", esse, foi aumentando. E ia, na moeda antiga, em 12,2 milhões de contos (versão PSD), 16,4 milhões na versão do PS.
Isto, em abril de 2006.