sexta-feira, 29 de março de 2013

É PRECISO SALVAR A ARTE…


Os pescadores da Praia de Mira são daqueles homens que trazem a vida marcada nas mãos. São homens que desde há muitos anos se fazem ao mar com uma coragem imensa para dar de comer aos filhos, sem nunca saberem como vai ser o regresso.
São gerações e gerações de homens nascidos e criados para pescarem a sua sobrevivência, enfrentando a força do mar e o seu destino.
Homens que nunca viraram as costas ao mar e às suas gentes. Que nunca desistiram de sair para o mar para fazer aquilo que é mais do que um ganha-pão, é a sua vida.
Uma das expressões mais claras das consequências ruinosas da adesão de Portugal à União Europeia é a destruição do setor das pescas.
Os princípios e objetivos da Política Comum das Pescas são profundamente gravosos para a economia nacional. Apesar de termos a maior zona económica exclusiva da Europa, aos pescadores portugueses é vedada a possibilidade de exploração adequada e justa dos nossos recursos naturais. Ao longo dos anos, sucessivos governos do PS, PSD e CDS promoveram o abate das embarcações e a abertura da zona económica exclusiva a frotas estrangeiras, concretizando uma política criminosa para o país.

Os pescadores da Praia de Mira, uma crónica de Rita Rato, deputada do PCP.
Para continuar a ler, clicar aqui.

Chamar-lhe imbecil e anormal, é o mínimo...



Domingos Cunha, médico, deputado do PS/Açores e antigo secretário regional da Saúde.
"ACREDITAMOS QUE NÃO SEJA PELA BARRIGA VAZIA QUE POSSA HAVER OU NÃO MENOR SUCESSO ESCOLAR ".

Em tempo.
Excerto de uma reportagem da RTP/Açores,  emitida no Telejornal de 19 de março de 2013.
Não tenho conhecimento, que algum dirigente nacional do PS tenha criticado as palavras deste... médico e senhor deputado do PS/Açores...

Como diria Sócrates: continua a narrativa...

A vingança é uma coisa tramada. Às vezes leva as pessoas a cometer atitudes infantis. Daquelas capazes de transformar homens de barba feita, e alguns até carecas, em meros adolescentes imberbes e espinhosos. Quem não se lembra de, na nossa meninice, termos exercido actos de retaliação a quem não nos deixava jogar à bola “à frente”, como os avançados?
Foi inevitável lembrar-me desses tempos ao olhar hoje para a primeira página do Correio da Manhã.

Via  Aventar

Santana comenta regresso de Sócrates

Voltou a boa moeda igual a si próprio. 
Criaram-no, agora aturem-no. 
Eu conheço a sensação. Sei o que se sente quando apetece estar lá na vez de quem tem José Sócrates pela frente para o desmentir e dizer a verdade. 
Pois! É que, se não for na hora, já não é igual. E a mensagem passa até porque é repetida muitas vezes. 
Não disse verdades? Disse, algumas e uma ou duas significativas. E disse-as com força e com desassombro, igual a si próprio. 
Eu sempre lhe reconheci qualidades, nunca o menosprezei. Mas nunca estive do lado dele, nunca o apoiei, sempre o combati. A diferença é essa. 
Porreiro, pá!
Ler mais, aqui.

Parcerias? Patifaria

Por Paulo Morais

Aqui chegados, só há uma solução aceitável: extinguir os contratos e prender quem os forjou.

Os encargos do estado com as parcerias público-privadas (PPP) são colossais, comprometem as finanças públicas por toda uma geração e hipotecam o futuro da economia do país. Mas os governos continuam a ser cúmplices destes negócios ruinosos. O atual ministro das finanças nem sequer diminuiu a despesa com as PPP, a que estava obrigado pelo memorando de entendimento assinado com a troika. Pelo contrário, os custos não cessam de aumentar.
Nos últimos quatro anos, os encargos líquidos com as PPP quadruplicaram, atingindo por ano montantes da ordem dos dois mil milhões de euros. O valor dos compromissos futuros estima-se em mais de 24 mil milhões de euros, cerca de 15% do PIB anual. Uma calamidade!
Fingindo estar a cumprir o acordo com a troika, que obrigava a "reavaliar todas as PPP", as Finanças anunciam, aqui e além, poupanças de algumas centenas de milhões. Valores ridículos, pois representam apenas cerca de um por cento do valor dos contratos.
Mas, o que é pior, Vítor Gaspar continua a proteger os privados. Já em 2012 e por decreto-lei, determinou que da nova legislação que regulamenta as PPP, "não podem resultar alterações aos contratos de parcerias já celebrados". As rentabilidades milionárias para os privados e a sangria de recursos públicos continuam como dantes... para pior. No último relatório disponível pode apurar-se que em 2011 houve, só nas PPP rodoviárias, um desvio orçamental de 30%. Sendo as despesas correntes de cerca de oitocentos milhões de euros, os custos com pedidos de reequilíbrio financeiro são de… novecentos milhões. A variação é maior que o próprio custo! Só ao grupo Ascendi e seus financiadores foram pagos, a mais (!), quinhentos milhões de euros. Uma patifaria. As poupanças do estado com a redução salarial da função pública em 2011 foram, afinal, diretamente para os bolsos do senhor António Mota, seus associados e financiadores.
Aos acordos ruinosos das PPP, vieram, ao longo dos anos, acrescentar--se custos desmesurados, resultado de negociações conduzidas por responsáveis públicos corruptos. Aqui chegados, só há uma solução aceitável: extinguir os contratos e prender quem os forjou.