.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

terça-feira, 21 de maio de 2019

Algumas notas da reunião camarária de ontem

Via Diário as Beiras

"Aprovada constituição do Conselho Municipal de Turismo
De acordo com a proposta da maioria socialista, a presidência do CMT será do presidente da câmara ou de quem ele designar para o efeito. A autarquia propõe que integrem o CMT representantes do Turismo Centro de Portugal, Associação Comercial e Industrial, Sociedade Figueira Praia, administração portuária, Associação dos Industriais de Hotelaria e Restauração do Centro, agências de viagem, Associação Figueira com Sabor a Mar, Associação das Colectividades, agrupamentos de escolas, forças de autoridade e protecção civil.

O presidente da câmara, Carlos Monteiro, afirmou que a estrada que liga Buarcos a Quiaios através do Cabo Mondego, conhecida como “Enforca cães”, começará a ser requalificada pela autarquia logo que o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) der luz verde.

O vereador do PSD Ricardo Silva elencou as obras realizadas durante os mantados do PSD (1997 – 2009, um de Santana Lopes e dois de Duarte Silva), destacando a “infraestruturação do concelho”. Longa foi a lista lida pelo autarca da oposição, fazendo referência a todas as obras que considerou relevantes. Pelo meio, o edil social-democrata (cargo que acumula com o de presidente da Comissão Política Concelhia do PSD) foi tecendo duras críticas ao legado de 10 anos de poder socialista na Figueira da Foz, agora com Carlos Monteiro à frente dos destinos do concelho. “Nos últimos anos, a Figueira da Foz perdeu influência política, económica e respeito, no contexto regional. Em contra ciclo com o país, não optimiza as nossas potencialidades turísticas e não tem uma estratégia que se conheça para inverter tal situação”, atirou Ricardo Silva.
Nota: (o texto da intervenção de Ricardo Silva pode ser lido clicando aqui).

O líder do executivo camarário da Figueira da Foz, Carlos Monteiro, que também preside ao Secretariado da Concelhia do PS, não deixou o vereador do PSD Ricardo Silva sem resposta às críticas que fez aos dois mandatos e meio da maioria socialista.
O autarca lembrou que já foram pagos 61 milhões de euros da dívida da autarquia herdada dos social-democratas (cerca de 90 milhões com as empresas municipais incluídas). “E ainda temos de pagar mais [para pagar]…!”, acrescentou. “Esta actividade partidária tem alguns limites”, defendeu o presidente, num tom mais crispado, reagindo ainda ao longo e acutilante ataque do referido vereador da oposição."

Sem comentários: