.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

quarta-feira, 22 de maio de 2019

A propósito do agradecimento do Dr. Miguel Mattos Chaves

O Dr. Miguel Mattos Chaves fez um agradecimento público aos participantes na  “TERTÚLIA FIGUEIRENSE”, realizada no passado dia 15 de Maio, em que "estiveram 46 pessoas pessoas, de todas as tendências políticas." Registo o facto do Dr. Miguel Mattos Chaves ter acentuado o seguinte:  "ainda há Figueirenses que se interessam pelas sua Cidade e que não se limitam a dizer mal de tudo e de todos. Pessoas que, independentemente das suas legitimas Tendências Políticas, procuram Soluções para os problemas e questões que afectam o Concelho."
Como é óbvio, agradeço o convite e a oportunidade de falar publicamente de problemas reais do território do nosso concelho. Gostei deste e de todos os debates livres, de preferência com vozes dissonantes. É a falar que a gente se entende. Aceitei porque sou do tempo em que os debates eram proibidos na Figueira. Haja debates e, já agora, que deles saiam algumas ideias.

O areal da praia da Figueira é um problema que remonta à definição da barra da Figueira, tal como ela é hoje, com a construção dos molhes, o que ocorreu no final da década de 50, princípio dos anos 60 do século passado.
Li um dia que "que os homens não aprendem muito com as lições da História. E esta, acaba por ser a mais importante de todas as lições que a História tem para nos ensinar"…
O prolongamento em 400 metros do molhe norte do porto da Figueira da Foz foi adjudicado e feito, apesar dos vários alertas feitos em devido tempo, a que a realidade infelizmente deu razão: a "Barra da Figueira da Foz  é  uma Armadilha Mortal para os Pescadores",  nos últimos anos morreram 11 pessoas. Cerca de 9 anos depois de concluída a obra, a barra  da Figueira, para os barcos de pesca que a demandam, está pior que nunca e a erosão, a sul, está descontrolada. Neste momento, pode dizer-se, sem ponta de demagogia, que o mar continua a “engolir” sistema dunar em S. Pedro, Costa de Lavos e Leirosa – e por aí adiante até à Nazaré. A meu ver, há uma ideia simples que é preciso ter em conta. Não é a Figueira que se tem de aproximar do mar. É o contrário: é o mar que se tem de aproximar da Figueira. Para isso é preciso retirar a areia a mais que existe na Figueira e distribui-la por onde é necessária: as praias a sul do estuário do Mondego. E tão necessária ela é até à Nazaré. Isto, embora sendo uma ideia simples, não está ainda entendida por quem manda.
O poder autárquico figueirense, com a execução das chamadas obras de requalificação do areal de 2015, demonstrou bem o seu posicionamente nesta questão do que fazer com o areal da praia da Figuiera da Foz... 
E tão avisados que foram...  Manuel Luís Pata, o meu saudoso Amigo, em devido tempo, fartou-se de avisar. Porém, ninguém o ouviu. Temos as consequências...
A Praia da Figueira não é um problema dos que habitam na cidade. É um problema territorial de todo o concelho e mais além.
É positivo o contributo dado aos figueirenses pelos promotores destas Tertúlias: estamos num momento em que é importante "discutir pública e livremente, com todos, os assuntos da Figueira."

1 comentário:

Moreira disse...

Soube a tempo mas foi-me impossível ir. E tive pena.
Joaquim Moreira