.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

quarta-feira, 9 de março de 2016

Domingos Abrantes é o comunista membro do Conselho de Estado, onde também está o antigo ministro do Ultramar, Adriano Moreira. Nesta entrevista fala dessa ironia, mas também do acordo de esquerda...

Para ler, cliquem aqui, e leiam o Observador que cometeu a façanha de fazer uma boa entrevista a este "novo" membro do novo Conselho de Estado...

3 comentários:

A Arte de Furtar disse...

Não conhecia esta entrevista e li com atenção.
A minha formação profissional da eng química só vem acentuar a "falta de química" que tenho com este sr.
Acompanhei os meus irmãos (mais velhos) nas lutas académicas (69) e já depois do 25, na vida sindical, conheci (e trabalhei) com muita gente ligada ao PC.
E há aspectos, áreas do PC que não entendo.
Mas,há coisas que nunca vou entender!
Alguém me explica porque o PC manda para o Conselho de Estado um Domingos Abrantes e deixa de fora um Carlos Carvalhas ????!!!!

A Arte de Furtar disse...

Um amigo, um pouco agastado com o meu comentário, recomendou que fosse ver este video.
https://www.facebook.com/NossaEpoca/videos/1126431307367956/?pnref=story
Ainda não vi (vou perguntar como se chega lá....), mas partilho.

E desculpem a insistência: mas não entendo mesmo!
Eu tenho bem a consciência do que escrevi reflecte uma vivência. Mas há sempre umas senhoras e cavalheiros têm um tal domínio da palavra que podem sempre dizer o que querem, mas um homem vulgar como eu não o sabe fazer.
Provavelmente será um defeito meu que tenho mais pensamentos que palavras e as palavras quando vêm não dizem com os pensamentos. Como gosto de palavras, há uma especial: perspectivas! Algo que explique como podemos olhar para as coisas e saber o seu sabor, cor, compostos e componentes e mesmo assim não saber o que é.
De como ao mudar de perspectiva tudo muda.
De como amamos a diferença e o debate, em Liberdade!

Anónimo disse...

O que assistimos hoje é a uma espécie de fascismo democrática. Consideram que Salazar foi um grande político e homem de finanças e só errou por não ter dado liberdade de reunião e de associação e de não ter acabado com a censura. Claro que se o tivesse feito pouco durava parece esquecerem isso.
Sendo Marcelo Rebelo de Sousa um homem culto ele não sabe que o dito PSD de social democrata não tem nada?
Veja-se no Parlamento Europeu. Onde se sentam os deputados do PSD? Os PSD europeus não os querem lá e nos liberais não se sentem bem então sentam-se ao lado do Democratas Cristão, tipo CDS e é lá que se sentem bem porque de sociais-democratas não têm nada. E Marcelo alimenta esta mentira?
Tudo assenta numa mentira agora transformada em mentira messiânica.
Como se escreve no Blog de "O Jumento" esta é a segunda primavera marcelista e eu lembro Marx quando dizia que a História nunca se repete e quanto tal acontece a primeira vez para eles é como tragédia a que se seguiu a queda do Marcelo e a segunda vez vai acabar como farsa. Grande farsante nos saiu e de consequência imprevisíveis. Aguardemos. A História nos dará razão.
JC