"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Vida partidária figueirense

Há uns dias escrevi aqui: “a ética, o sentido de missão e de serviço, na vida como na política, só podem ser um ponto de partida, nunca um ponto de chegada. Os partidos, esses “chamados pilares da democracia”, não são propriamente uma escola de virtudes, de bons costumes e de lisura de processos.”
Para mim, é claro que a chamada crise do sistema partidário em Portugal é artificial. Ela foi criada, e é mantida, de modo a ajudar a perpetuar no poder sempre o mesmo bloco de interesses – sobretudo pessoais.
O político de sucesso nos dias que vivemos, mente, tem de ser, obrigatoriamente, bom fingidor, tresanda a falso, constrói o seu caminho, na busca do poder, entre o favor e a intriga, conta espingardas e distribui cumprimentos e palmadas nas costas com o ar enternecido com que Judas beijou Cristo.
Depois de ler, aqui, o que resultou da reunião da comissão política concelhia do PS, realizada na noite do passado domingo, reforcei a minha opinião.

Sem comentários: