sexta-feira, 23 de maio de 2014

Canal Figueira Memória...

O novo programa da Figueira/Tv, em emissão experimental.
O programa promete...
Depois deste aperitivo fiquei curioso para saber como estes “jovens” comentadores se vão desenrascar.
Defender o passado contra o presente pode se encarado como reaccionarismo. Elogiar o tempo que vivemos pode ser encarado como niilismo ou conformismo...
Vamos esperar pelos próximos capítulos.

Somos um povo do catano...Isto ainda vai dar um filme para bater recordes de bilheteira!..

"Apesar de ser considerado perigoso pelas autoridades e estar fortemente indiciado pelos crimes, o homem também conhecido como Manuel “Palito”, que esteve fugido 34 dias foi recebido como uma espécie de herói popular. À sua chegada, foi aclamado por mais de 200 habitantes locais, que o esperavam. Tiraram fotos com os telemóveis, bateram palmas e também assobiaram, mas numa manifestação de apoio. Ninguém o criticava e alguns até o elogiavam."

Decidam-se...

«Eu nem consigo perceber como é que eles (PSD e CDS) vão buscar 30 por cento de pessoas, de eleitores, que votem neste governo depois de três anos de ajustamento.» 
Constança Cunha e Sá, ontem, na TVI 24

Escolher, segundo os dicionários, é um processo mental que envolve o juízo acerca dos méritos de múltiplas opções e a consequente opção por uma delas. 
O processo é mental, mas dá-nos a sensação de uma liberdade que nem sempre temos.
Desde logo, porque grande parte das nossas escolhas faz-se com base em informação por vezes manipulada e deficiente. Essas opções são, por conseguinte, quase sempre condicionadas.
Contudo, muitas vezes são também de conveniência, de oportunidade, têm motivos fúteis ou conjunturais.
Nem sempre, porém, ao contrário do que nos querem fazer crer, existem várias opções.
Há opções iguaizinhas, a que damos nomes diferentes, para acreditarmos na ficção de que estamos perante um variado leque de escolhas.
Todavia, há uma coisa que é verdade: a escolha é uma opção. Pode ser uma opção hesitante, incompleta, mas uma escolha é uma opção que contribuirá para um resultado.
Quando a escolha está feita, acabou o processo mental. Acabou, também, a comédia. A seguir, sofremos as consequências das nossas opções.
Não votar no dia 25 é aceitar este governo. Quem ficar em casa, merece o governo e a Europa que tem.
Decidam-se.
Segunda-feira é já a seguir a domingo...