Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»
A apresentar mensagens correspondentes à consulta findagrim ordenadas por relevância. Ordenar por data Mostrar todas as mensagens
A apresentar mensagens correspondentes à consulta findagrim ordenadas por relevância. Ordenar por data Mostrar todas as mensagens

segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Da FINDAGRIM farta e generosa à FINDAGRIM dos pobrezinhos...

Na edição de hoje do DIÁRIO AS BEIRAS pode ler-se o seguinte:
Imagem DIÁRIO AS BEIRAS

"A continuidade da feira de actividades económicas de Maiorca, FINDAGRIM, foi aprovada pela assembleia de freguesia com os votos a favor do PS e da CDU e com a abstenção do PSD e da autarca socialista Luísa Verdete. O executivo liderado por Rui Ferreira propôs acabar com o evento, ser criada uma comissão organizadora independente ou dar continuidade ao certame com custos reduzidos, tendo prevalecido a última proposta. Assim, a FINDAGRIM continuará a ser organizada pela Junta de Maiorca, mas numa versão mais barata. A edição de 2018 da feira registou o maior saldo negativo de sempre, ao somar um prejuízo de cerca de 39 mil euros, que aquela autarquia está pagar, tendo contabilizado 12 mil bilhetes pagos
“Queremos uma feira sustentável. Vamos fazer uma feira com um volume de contratação de artistas mais contido”, disse Rui Ferreira ao DIÁRIO AS BEIRAS. 
A deliberação da assembleia de freguesia vai ser debatida com a Câmara da Figueira da Foz, fornecedores a quem a junta deve dinheiro da edição deste ano e empresas que costumam marcar presença na feira. “Vamos dizer-lhes que não podemos ter um evento com custos tão elevados. Vamos tentar reduzir em tudo o que for possível”, afirmou também ao mesmo jornal o presidente da junta de Maiorca,  garantindo que a organização da FINDAGRIM vai continuar a pautar-se pela “transparência”
A edição de 2018 foi a primeira desde que Rui Ferreira tomou posse.
“Contas foram sempre apresentadas”
 A propósito de transparência, Rui Ferreira (PS) tem reiterado que a anterior organização (a cargo de uma comissão liderada pela Junta de Maiorca que envolvia elementos das forças políticas com assento na assembleia de freguesia e representantes das colectividades locais) nunca apresentou contas. 
O antigo presidente da junta Filipe Dias (PSD), que liderou a FINDAGRIM durante os primeiros oito anos, porém, afirma o contrário. “As contas da FINDAGRIM foram sempre apresentadas ao presidente da câmara [João Ataíde] e à assembleia de freguesia”. O visado pelas declarações recentes de Rui Ferreira ao DIÁRIO AS BEIRAS acrescentou que o actual presidente da mesa da assembleia, José Carvão (PS), “votou sempre a favor das contas”.
Processo arquivado
O antigo autarca garantiu que “até houve um ano que o evento deu lucro”. E acrescentou: “Dos oitos anos que fiz a FINDAGRIM, todas as edições juntas não somaram uma dívida tão grande como a que ele [Rui Ferreira] fez em apenas um ano”. 
Entretanto, recentemente, a PJ investigou a contratação de artistas para o cartaz da feira de edições anteriores, mas arquivou o processo."

Nota.
Ao tempo que sabemos que, na Figueira, os números não mentem...
Contudo, também sabemos que, na Figueira, os mentirosos inventam números...
Desde o primeiro ano que o número de entradas da Feira Industrial, Comercial e Agrícola de Maiorca (FINDAGRIM) superava a edição anterior, tendo chegado a cerca de 50 mil. Pelo menos, era essa a informação veiculada pela organização, porque, segundo sustentou o actual presidente da Junta de Maiorca, Rui Ferreira, ao DIÁRIO AS BEIRAS, “as entradas eram inflacionadas”. “Se essas entradas existiram, nós não temos suporte documental desse registo. Pode existir, mas não está na posse da junta”, afirmou o autarca. Questionado sobre se estava a insinuar que os números foram inflacionados, Rui Ferreira afirmou: “Seguramente que foram. Há testemunhos de várias pessoas que desde sempre estiveram ligadas à organização que sustentam que os números foram sucessivamente inflacionados”. Qual era objectivo? “Foi uma tentativa de sobrevalorizar o evento para, provavelmente, irem buscar mais empresas e mais apoios institucionais”, respondeu o presidente da Junta de Maiorca.

terça-feira, 26 de novembro de 2019

COMO NA FIGUEIRA TEM DE SER SEMPRE CARNAVAL, "FINDAGRIM NÃO PODE TERMINAR"...

Via Carlos Tenreiro - Mudar Porque a Figueira Merece

"O Presidente da CMFF anunciou ontem em reunião que a FINDAGRIM está em risco de não se realizar no próximo ano devido aos custos elevados em causa.
Somos da opinião que a referida Feira, pela dimensão e prestígio que tem vindo a granjear ao longo dos anos, merece permanecer no panorama dos grandes eventos do concelho.
Numa altura em que se conseguiu um notável renascer da Feira do Mar (Figueirasea) na cidade, faz todo o sentido que permaneça um certame do género no interior do concelho, mais ligado à economia da terra, na promoção e divulgação dos produtos endógenos, com toda a carga sócio cultural a ele inerente.
Compete à CMFF, neste caso particular, envidar os esforços necessários de forma a conseguir articular entre os organizadores e os agentes económicos/associativos interessados, os apoios necessários, sem que se descure o apelo que deverá ser feito junto de outras entidades oficiais, entre elas, a CIM-Coimbra e a Região de Turismo do Centro que não deixarão, certamente, de prestar o necessário apoio. Os Vereadores do PSD, Carlos Tenreiro e Miguel Babo, já expressaram a sua disponibilidade para colaborar na busca duma solução."

Nota.

Contas da FINDAGRIM de 2018: receitas ascenderam a cerca de 122 mil euros.
Despesa situou-se nos 170,5 mil euros. Défice chegou perto dos 48,3 mil euros.

FINDAGRIM 2019: desta vez foi a chuva a afectar as contas.

Notícia publicada na edição de 25 de Novembro de 2019, no Diário as Beiras:
"O município vai acrescentar cinco mil euros aos 40 mil de apoio financeiro já transferidos para a Feira Industrial, Comercial e Agrícola de Maiorca (FINDAGRIM), 10 mil daqueles suplementares, para ajudar a minimizar os prejuízos. A proposta para a atribuição daquele montante “excepcional” é votada, hoje, na reunião de câmara. Contas feitas, os apoios adicionais somam 15 mil euros. A autarquia atribui uma verba de 30 mil euros à organização...
Entretanto, o executivo maiorquense estuda formas de manter o evento sem arruinar as finanças da junta e evitar sobrecarregar as despesas da câmara com a feira. Uma das soluções poderá passar por realizar a FINDAGRIM de dois em dois anos, em vez de ser anual. "

segunda-feira, 25 de novembro de 2019

FINDAGRIM: desta vez foi a chuva a afectar as contas

Notícia publicada na edição de hoje do Diário as Beiras:

"O município vai acrescentar cinco mil euros aos 40 mil de apoio financeiro já transferidos para a Feira Industrial, Comercial e Agrícola de Maiorca (FINDAGRIM), 10 mil daqueles suplementares, para ajudar a minimizar os prejuízos. A proposta para a atribuição daquele montante “excepcional” é votada, hoje, na reunião de câmara. Contas feitas, os apoios adicionais somam 15 mil euros. A autarquia atribui uma verba de 30 mil euros à organização, a cargo da Junta de Maiorca, além do apoio logístico. O protocolo prevê um montante adicional de 10 mil euros, para o caso do evento registar prejuízos, o que se verifica pelo segundo ano consecutivo. De acordo com as conta apresentadas pelos organizadores, a edição deste ano somou um saldo negativo de 28 mil euros. O pedido do reforço do apoio adicional, de acordo com a proposta que o executivo camarário incluiu na agenda da reunião de câmara, é sustentado com os prejuízos provocados pelo “clima chuvoso que ocorreu nos três primeiros dias” do certame, “prejudicando a presença de público que estaria prevista com base nos valores do ano anterior”

A FINDAGRIM 2019, certame que se realiza em agosto, contabilizou menos 10 mil euros de prejuízo do que no ano passado. Foram vendidas 11 mil entradas, número que ficou aquém das estimativas da organização, para o qual terá contribuído o mau tempo. O presidente da Junta de Maiorca, Rui Ferreira, vem afirmando que, sem mais apoio financeiro, a feira não é autos sustentável. Por isso, defende um maior envolvimento da autarquia. Para reduzir o risco de prejuízos, este ano, a organização optou por um cartaz menos dispendioso. 
Evento pode passar a bienal 
Entretanto, o executivo maiorquense estuda formas de manter o evento sem arruinar as finanças da junta e evitar sobrecarregar as despesas da câmara com a feira. Uma das soluções poderá passar por realizar a FINDAGRIM de dois em dois anos, em vez de ser anual. "

Nota.  
Ao que chegou a Feira Industrial, Comercial e Agrícola de Maiorca!
Da FINDAGRIM farta e generosa à FINDAGRIM dos pobrezinhos...
E que tal, piedosamente, exterminá-la?

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Contas da FINDAGRIM de 2018: receitas ascenderam a cerca de 122 mil euros.Despesa situou-se nos 170,5 mil euros. Défice chega perto dos 48,3 mil euros.

"As contas da Feira Industrial, Comercial e Agrícola de Maiorca (FINDAGRIM) de 2018 serão debatidas na Assembleia de Freguesia de Maiorca (AFM), agendada para o próximo sábado, pelas 15H30, na Filarmónica Maiorquense. 
Entretanto, o Secretariado de Maiorca do PS distribuiu pelas redacções um comunicado sobre o assunto. 
“Tendo o PSD exigido, e bem, a apresentação das contas da FINDAGRIM, o relatório já foi enviado ao presidente da Câmara da Figueira da Foz [João Ataíde] e aos elementos da AFM”, afirmam os socialistas maiorquenses. A estrutura, no entanto, lança um desafio: “Assim, a bem da coerência e em nome da transparência e do rigor das contas públicas, aguardamos que o PSD publicite, nessa mesma reunião, os relatórios da FINDAGRIM referentes aos anos antecedentes”
O assunto já havia sido objecto de um requerimento, apresentado na câmara no dia 27 de agosto, por parte do vereador do PSD Ricardo Silva, numa altura em que as contas ainda não estavam fechadas – a FINDAGRIM realizou-se naquele mês. 
O autarca da oposição indagou a maioria socialista sobre os apoios financeiros e logísticos atribuídos pela autarquia ao certame. 
“Até à Assembleia Municipal [hoje, pelas 15H00, no salão nobre dos paços do concelho], não farei comentários sobre o assunto, mas estarei disponível para esclarece os deputados municipais. As contas serão apresentadas na AFM, onde serão devidamente esclarecidas”, reagiu o presidente da Junta de Maiorca, Rui Ferreira. 
As receitas da feira de actividades económicas de Maiorca, organizada pela junta, ascenderam a cerca de 122 mil euros, enquanto a despesa se situou nos 170,5 mil euros. Assim, o défice chega perto dos 48,3 mil euros. 
No entanto, lê-se no relatório, o saldo negativo será reduzido em 10 mil euros, correspondentes ao “reforço extra” da Câmara da Figueira da Foz, como consta do protocolo assinado com a junta e acontecera em 2017, caso se verifi casse prejuízo." 
J.A. via AS BEIRAS.

Nota de rodapé.

Ao tempo que sabemos que na Figueira os números não mentem... Também sabemos, porém, que na Figueira os mentirosos inventam números...
Desde o primeiro ano que o número de entradas da Feira Industrial, Comercial e Agrícola de Maiorca (FINDAGRIM) superava a edição anterior, tendo chegado a cerca de 50 mil. Pelo menos, era essa a informação veiculada pela organização, porque, segundo sustentou o actual presidente da Junta de Maiorca, Rui Ferreira, ao DIÁRIO AS BEIRAS, “as entradas eram inflacionadas”. “Se essas entradas existiram, nós não temos suporte documental desse registo. Pode existir, mas não está na posse da junta”, afirmou o autarca. Questionado sobre se estava a insinuar que os números foram inflacionados, Rui Ferreira afirmou: “Seguramente que foram. Há testemunhos de várias pessoas que desde sempre estiveram ligadas à organização que sustentam que os números foram sucessivamente inflacionados”. Qual era objectivo? “Foi uma tentativa de sobrevalorizar o evento para, provavelmente, irem buscar mais empresas e mais apoios institucionais”, respondeu o presidente da Junta de Maiorca, que lidera a organização do certame. 

sábado, 8 de fevereiro de 2020

Afinal, na Figueira, por vezes não há carnaval: “seguramente, em 2020, não haverá FINDAGRIM”...

Rui Ferreira, o presidente da junta, ao DIÁRIO AS BEIRAS:

Na próxima semana, vai reunir-se com os dirigentes das colectividades, para lhes ser apresentada a proposta do executivo maiorquense sobre o futuro do certame, que deverá passar a bienal, em vez de anual.
Uma das razões invocadas é a proximidade da data daquela a que o autarca chamou a “maior feira de actividades económicas do país”, a EXPOFACIC, em Cantanhede.
"Se calhar, no futuro, teremos de antecipar ou avançar a data da FINDAGRIM”, reconheceu.
A mexer-se no calendário da feira, que se vem realizando na primeira quinzena de agosto, tudo indica que a organização, a cargo da Junta de Maiorca, optará por realizá-la mais cedo. “Se for realizada mais tarde, teremos as festas da região norte do concelho, com as quais não queremos concorrer, porque a maioria dos frequentadores da FINDAGRIM é daquela zona”,
disse Rui Ferreira.
Um dado, para já, está adquirido: manter a feira como evento anual, “é impensável, a não ser que haja um maior contributo financeiro do município”.
Recorde-se: além de apoio logístico, em 2019, para a realização da 10.ª edição, a câmara contribuiu com 40 mil euros, 15 mil de apoio adicional para ajudar a atenuar os prejuízos, que atingiram cerca de 38 mil euros.
FINDAGRIM, uma história que já vem de longe, amplamente contada neste OUTRA MARGEM.
Para recordá-la basta clicar aqui.

quinta-feira, 10 de outubro de 2019

FINDAGRIM, UM PROBLEMA PARA AS CONTAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE MAIORCA

Na Figueira é assim: vamos indo de "êxito" em "êxito" até à derrota final...
Via Diário as Beiras. Para ler melhor, clicar na imagem

Segundo se pode ler na edição de hoje do Diário as Beiras, a Junta de Maiorca sugere que a câmara passe a organizar a FINDAGRIM.
O relatório da edição deste ano da Feira Industrial, Comercial e Agrícola de Maiorca, elaborado pela autarquia que tem organizado o certame, confirma o que já se sabia: a FINDAGRIM, edição de 2019, registou um saldo negativo de 37,9 mil euros.
A edição de 2018 da feira registou o maior saldo negativo de sempre, ao somar um prejuízo de cerca de 43,8 mil euros.
Este ano, como aconteceu em 2018, os prejuízos serão reduzidos em 10 mil euros, via bolso do contribuinte, através do reforço do apoio financeiro da Câmara da Figueira. 
A Junta de Maiorca terá de cobrir o prejuízo restante.
Mas, afinal o que é a FINDAGRIM?
Cito Fernando Campos: "a pretexto de ser uma feira de actividades económicas da freguesia, não passa, na verdade, de um festival anual de música pimba que faz de Maiorca, uma vez por ano e por meia dúzia de dias, uma meca para todos os labregos da região e seus contornos. Um mau negócio que além de despesa e muito trabalho não-remunerado de fregueses tão voluntariosos como ingénuos, não traz nenhuma vantagem à junta, nem proveito ao comércio local, nem prestígio a Maiorca"...

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Ao tempo que sabemos que na Figueira os números não mentem... Também sabemos, porém, que na Figueira os mentirosos inventam números...

Imagem: via AS BEIRAS
"Desde o primeiro ano que o número de entradas da Feira Industrial, Comercial e Agrícola de Maiorca (FINDAGRIM) superava a edição anterior, tendo chegado a cerca de 50 mil. Pelo menos, era essa a informação veiculada pela organização, porque, segundo sustentou o atual presidente da Junta de Maiorca, Rui Ferreira, ao DIÁRIO AS BEIRAS, “as entradas eram inflacionadas”. “Se essas entradas existiram, nós não temos suporte documental desse registo. Pode existir, mas não está na posse da junta”, afirmou o autarca. Questionado sobre se estava a insinuar que os números foram inflacionados, Rui Ferreira afirmou: “Seguramente que foram. Há testemunhos de várias pessoas que desde sempre estiveram ligadas à organização que sustentam que os números foram sucessivamente inflacionados”. Qual era objectivo? “Foi uma tentativa de sobrevalorizar o evento para, provavelmente, irem buscar mais empresas e mais apoios institucionais”, respondeu o presidente da Junta de Maiorca, que lidera a organização do certame. Para esta edição da FINDAGRIM, Rui Ferreira conforma-se com metade das entradas que o seu sucessor Filipe Dias anunciou na última edição a que presidiu, em 2017. “Se tivermos 25 mil pessoas, com 20 mil entradas pagas, já nos damos por satisfeitos”, garantiu Rui Ferreira.
Contactado pelo DIÁRIO AS BEIRAS, Filipe Dias garantiu, no entanto, que as afirmações do seu sucessor “não correspondem à verdade”. E acrescentou: “Claro que contabilizámos as pessoas que lá estavam a trabalhar, que não pagam entrada, mas é verdade que, no total, registámos 50 mil entradas em cinco dias”. O antigo presidente da Junta de Maiorca esclareceu, ainda, que os colaboradores dos stands das empresas também não pagavam. “Eram cerca de 200 espaços, com uma média de quatro ou cinco por cada um”, contabilizou Filipe Dias, garantindo que “os números que foram lançados para a imprensa não fogem muito à realidade”.
Polémicas à parte, a FINDAGRIM realiza-se de 8 a 12 deste mês, no largo da Feira de Maiorca. A entrada, que é livre no último dia, custa quatro euros."

Nota de rodapé.
A Câmara Municipal da Figueira da Foz, este ano, por ter reconhecido que a feira cresceu ao longo dos 8 anos que já leva de existência, aumentou, em relação a 2017 (único ano em que apoiou com verba) em mais 10 mil euros o apoio monetário para a realização do evento: 30 mil euros mais apoio logístico, sujeito a um reforço posterior (no final do evento) caso o evento não obtenha saldo positivo.
Isto é, os 30 mil podem ser 40 mil euros!
O mesmo é dizer: todos, incluindo o presidente da junta de freguesia de Maiorca e o presidente da câmara municipal da Figueira da Foz, têm a noção que, à partida, a FINDAGRIM  está condenada ao fracasso!
Façamos votos para que não seja assim...

quinta-feira, 29 de março de 2018

"FINDAGRIM renovada"?..

A Feira Industrial, Comercial e Agrícola de Maiorca (FINDAGRIM), este ano, realiza-se de 8 a 12 de agosto, com novidades e o objectivo de sempre, que é levar dezenas de milhares de pessoas àquela vila do concelho da Figueira da Foz, tendo como tema o arroz carolino do Baixo Mondego. 
O programa foi apresentado, ontem, tendo como "palco", a Quinta do Foja, um dos mais representativos espaços agrícolas da região: em mais de 900 hectares de terreno, em 500 cultiva-se o arroz.

0 anfitrião, foi o presidente da Junta de Maiorca, Rui Ferreira.
Ficou a saber-se que a edição deste ano da FINDAGRIM, a primeira de Rui Ferreira, terá várias novidades, começando pelo logotipo, cujo grafismo lhe confere “mais visibilidade e reconhecimento”.
Para chegar à zona dos espectáculos, o público terá de passar pelos corredores onde se encontram os stands, que deverão ser 200. Este ano, não haverá festa no parque do Lago, onde se instalava a tenda de música eletrónica. Assim, os djs passam a tocar no recinto da feira, a seguir aos espetáculos. 

O orçamento, para a edição deste ano é de 100 mil euros, menos 30 mil do que no ano passado
Contudo, quem manda na programação, continua a  contratar selectivamente o elenco.
Vejamos: os espectáculos são diários, tendo um artista nacional, folclore, filarmónicas, dança e fado, envolvendo as coletividades locais. Ana Malhoa abre o cartaz, seguindo-se, Quim Barreiros (dia 9), Toy (dia 10), Amor Electro (dia 11) e Os Red (dia 12). 

A entrada custa quatro euros, mas no último dia, domingo, não se paga, em nome da festa popular e do tradicional desfile de carroças antigas. 
É um “cartaz que vai chamar milhares e milhares de pessoas”, disso não tem dúvidas Rui Ferreira. 
Dado que é o arroz carolino do Baixo Mondego, que inaugura a primeira edição temática da FINDAGRIM, a organização conferiu o estatuto de convidados especiais às freguesias do Paião e Alqueidão. No entanto, Rui Ferreira ressalvou que espera contar com a participação de todas as freguesias do concelho. 
“É um privilégio estar na origem” duma feira, que se realiza “na freguesia-mãe do Baixo Mondego”, disse o presidente da Câmara da Figueira da Foz, João Ataíde.

domingo, 31 de janeiro de 2021

Da série, a pandemia tem as costas largas...

Em tempo.

COMO NA FIGUEIRA TEM DE SER SEMPRE CARNAVAL, "FINDAGRIM NÃO PODE TERMINAR"...

Em 2018: receitas ascenderam a cerca de 122 mil euros.
Despesa situou-se nos 170,5 mil euros. Défice chegou perto dos 48,3 mil euros.

Em 2019: desta vez foi a chuva a afectar as contas.
Notícia publicada na edição de 25 de Novembro de 2019, no Diário as Beiras:
"O município vai acrescentar cinco mil euros aos 40 mil de apoio financeiro já transferidos para a Feira Industrial, Comercial e Agrícola de Maiorca (FINDAGRIM), 10 mil daqueles suplementares, para ajudar a minimizar os prejuízos. Contas feitas, os apoios adicionais somavam 15 mil euros. A autarquia atribui uma verba de 30 mil euros à organização...
Entretanto, o executivo maiorquense estuda formas de manter o evento sem arruinar as finanças da junta e evitar sobrecarregar as despesas da câmara com a feira. Uma das soluções poderá passar por realizar a FINDAGRIM de dois em dois anos, em vez de ser anual."

Coragem: a pandemia há-de passar...

segunda-feira, 29 de abril de 2019

Geralmente até me dou bem com as contas, por mais complicadas que sejam, mas confesso que estes números são estranhos...

Imagem via Diário as Beiras
O ano passado, a Feira Industrial, Comercial e Agrícola de Maiorca (FINDAGRIM), realizou-se de 8 a 12 de agosto. O orçamento, para a edição de 2018 foi de 100 mil euros, menos 30 mil do que no ano de 2017. Todavia, as contas finais da FINDAGRIM/2018, ficaram assim:
receitas ascenderam a cerca de 122 mil euros. Despesa situou-se nos 170,5 mil euros. Défice chegou perto dos 48,3 mil euros.
Hoje, no Diário as Beiras pode ler-se em título: "FINDAGRIM reduz orçamento em 45 mil euros".
No corpo da notícia,  "Rui Ferreira (presidente da junta deMaiorca) O autarca que o orçamento deste ano, de 130 mil euros, sofreu uma redução de 45 mil euros, em comparação com 2018, ano em que registou um prejuízo de cerca de 40 mil euros. A Câmara da Figueira da Foz contribui com 30 mil euros, podendo ir até aos 40 mil, se houver passivo."

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Na Figueira é assim: de "êxito" em "êxito" até à derrota final...

Hoje à noite, pelas 21 horas e 30 minutos reune-se a Assembleia de Freguesia de Maiorca.
A edição de 2019 da feira de actividades económicas FINDAGRIM é um dos pontos da agenda de trabalhos. O evento, organizado pela junta, registou este ano um prejuízo de cerca de 39 mil euros, montante que a autarquia maiorquense está a pagar com dificuldade.
Em declarações ao DIÁRIO AS BEIRAS, o presidente da Junta de Maiorca, Rui Ferreira, defendeu que “a FINDAGRIM, seguramente, terá futuro se a assembleia de freguesia assim o entender”. Assim sendo, o futuro deverá ficar decidido hoje. Entretanto, o autarca, que cumpre o primeiro mandato, garantiu que a junta calculou os limites financeiros, tendo constado que “não se pode organizar um evento com um prejuízo daqueles”. “Vamos tentar arranjar um plano com artistas mais baratos, porque já vimos que a bilheteira não cobre os custos. Este ano, tivemos custos de 86 mil euros com os espectáculos e as receitas rondaram os 50 mil euros”, acrescentou o autarca. O que é que se passou este ano, porque nos anos anteriores não houve um prejuízo tão grande? “Nos outros anos, não houve apresentação de contas escritas e a junta ia suportando as despesas. Há uma imensidão de despesas e receitas que não aparecem nas contas da junta”, respondeu Rui Ferreira a J.A.

Isto é a Figueira do faz de conta. Em 14 de agosto passado, em declarações ao DIÁRIO AS BEIRAS,  Rui Ferreira, presidente da Junta de Freguesia, referiu que o balanço final é “muito positivo” e que os objectivos para esta edição foram “cumpridos”. “O balanço final é muito positivo. Atingimos o número que tínhamos definido antes. Registámos, no total, cerca de 25 mil entradas. Desse registo, 20 mil foram com entradas pagas, portanto, no geral, o objectivo foi cumprido”, confessou.

Na altura, para o próximo ano, Rui Ferreira quer que a FINDAGRIM “continue a ser uma festa do povo” mas que, ao mesmo tempo, viesse a ter uma preocupação maior com o público mais jovem. “Em primeiro lugar vou ouvir todos os expositores, que nos têm vindo a apoiar, de forma a podermos melhorar. Mas posso adiantar que vamos continuar a ser uma festa do povo com associações envolvidas e com uma aposta no cartaz de cariz popular, com cantores «pimba». Vamos tentar também agradar à população mais jovem, como é óbvio”.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Findagrim

Imagem Fernando Campos
O legado de Filipe Dias.
"A Findagrim, Feira Comercial, Industrial e Agrícola de Maiorca, é um dos maiores eventos de Verão, na região, mas o de 2019 pode estar em risco, ou sofrer fortes alterações no modelo a seguir. É que «apesar do investimento este ano ter sido menor», o evento que decorreu em Agosto e teve como cabeças de cartaz nomes como Ana Malhoa, Quim Barreiros, Toy, Amor Electro e “Os Red”, deixou «uma dívida de 39 mil euros, que estamos com dificuldade em assumir. Os fornecedores tentam reaver o que é deles, mas não conseguimos verba para pagar a tempo e horas», explicou ao nosso Jornal, o presidente da junta, salvaguardando no entanto, que tem «um acordo com as empresas, tem havido diálogo» e aos poucos, anda a saldar as dívidas."
Via Diário de Coimbra

Nota de rodapé.
Contas da FINDAGRIM de 2018: receitas ascenderam a cerca de 122 mil euros.Despesa situou-se nos 170,5 mil euros. Défice chega perto dos 48,3 mil euros.
Ao tempo que sabemos que na Figueira os números não mentem... Também sabemos, porém, que há na Figueira  mentirosos inventam números...

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

A mania das grandezas

Cito Fernando Campos:  
"A única, a verdadeira prioridade da gestão de Filipe Dias foi a Findagrim. 
A Findagrim, a pretexto de ser uma feira de actividades económicas da freguesia, não passa, na verdade, de um festival anual de música pimba que faz de Maiorca, uma vez por ano e por meia dúzia de dias, uma meca para todos os labregos da região e seus contornos. Um mau negócio que além de despesa e muito trabalho não-remunerado de fregueses tão voluntariosos como ingénuos, não traz nenhuma vantagem à junta, nem proveito ao comércio local, nem prestígio a Maiorca -  mas que deve ser, só pode, um negócio-da-china para a obscura comissão que a organiza e da qual, estranhamente ou talvez não, o novo executivo parece também querer fazer parte. 
O deslindar deste mistério (e também o da súbita paz dos anjos entre o anterior e o actual executivo) depende exclusivamente do desempenho de José Maia Azedo, o eleito da CDU. Com os eleitos do PSD metidos num bolso, é a ele que cabe fazer perguntas, exigir respostas; enfim, ser oposição."

Que o Filipe Dias teve a mania das grandezas parece estar comprovado.
Mas, todos sabemos que os cofres da Câmara Municipal da Figueira da Foz são financiados  por todos nós.
Porém, tal como foi, na altura, politicamente correcto em relação à passagem de Santana Lopes pela Figueira, também ninguém se vai preocupar excessivamente com este absoluto delírio que tem sido a FINDAGRIM, nos moldes em que tem sido realizada...
Só que, agora, a CDU faz parte do executivo da Junta de Freguesia de Maiorca e está representada na Assembleia de Freguesia...

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Mais um êxito: “registámos 25 mil entradas”, afirmou Rui Ferreira...


(Imagem via Diário de Coimbra. Para ver melhor clicar na imagem)
Chegou ao fim a 9.ª edição da Feira Industrial, Comercial e Agrícola de Maiorca (FINDAGRIM). 
O evento, que se iniciou a 8 de agosto tendo findado no passado domingo, dia 12, trouxe à freguesia de Maiorca nomes como Ana Malhoa, Quim Barreiros, Toy, Amor Electro ou Os Red. 
Em declarações ao DIÁRIO AS BEIRAS, edição de hoje, Rui Ferreira, presidente da Junta de Freguesia, referiu que o balanço final é “muito positivo” e que os objetivos para esta edição foram “cumpridos”. “O balanço final é muito positivo. Atingimos o número que tínhamos definido antes. Registámos, no total, cerca de 25 mil entradas. Desse registo, 20 mil foram com entradas pagas, portanto, no geral, o objetivo foi cumprido”, confessou.

Para o próximo ano, Rui Ferreira quer que a FINDAGRIM “continue a ser uma festa do povo” mas que, ao mesmo tempo, tenha uma preocupação maior com o público mais jovem. “Em primeiro lugar vou ouvir todos os expositores, que nos têm vindo a apoiar, de forma a podermos melhorar. Mas posso adiantar que vamos continuar a ser uma festa do povo com associações envolvidas e com uma aposta no cartaz de cariz popular, com cantores «pimba». Vamos tentar também agradar à população mais jovem, como é óbvio”

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Maiorca: o legado de Filipe Dias...

Cito Fernando Campos...

"O favorito para encabeçar as listas do PS por Maiorca era Filipe Dias, o presidente da junta cessante, eleito duas vezes consecutivas plo PSD. Segundo o mujimbo que corre pla terra, o bravo Filipe teria mesmo sido pressionado plas altas esferas da cãmbra muncipal e como recusou (Filipe terá achado que parecia mal seilá mudar de casaca - não perguntem porquê pois por vezes, como referiu o grande Chico Buarque, até as putas têm seus caprichos) terá sido veladamente ameaçado com a possível periclitância do empreguinho da esposa na Câmara Municipal e constrangido a contentar-se com um lugarzito não elegível nas listas do PSD, encabeçada agora por aquele que foi durante oito anos, o seu vice, Sérgio Gil. São episódios destes, assim edificantes, que nos fazem devanear na plítica como uma actividade eminentemente nobre...
O seu mandato de oito anos foi desastroso. Além de esbardalhar completamente o legado do seu antecessor, Filipe Dias não fez nada que jeito tenha. Começou logo por dois atentados ambientais: a demolição de um bosque de eucaliptos centenários no Parque do Lago e a poda/serração dos plátanos da Feira Velha (que lhe valeram a caricatura e o post que então lhe dediquei neste blogue) e acabou a permitir outro, este perpetrado pela Câmara Municipal: o arraso do carvalhal (o carvalho, meus senhores, é uma árvore protegida) do campo de Futebol. Entretanto ainda teve tempo de crivar a junta de dívidas em indemnizações e multas por não ter pago as contribuições devidas a dois funcionários e por vender património edificado abaixo do seu valor. A única, a verdadeira prioridade da gestão de Filipe Dias foi a Findagrim. 
A Findagrim, a pretexto de ser uma feira de actividades económicas da freguesia, não passa, na verdade, de um festival anual de música pimba que faz de Maiorca, uma vez por ano e por meia dúzia de dias, uma meca para todos os labregos da região e seus contornos. Um mau negócio que além de despesa e muito trabalho não-remunerado de fregueses tão voluntariosos como ingénuos, não traz nenhuma vantagem à junta, nem proveito ao comércio local, nem prestígio a Maiorca -  mas que deve ser, só pode, um negócio-da-china para a obscura comissão que a organiza e da qual, estranhamente ou talvez não, o novo executivo parece também querer fazer parte. 
O deslindar deste mistério (e também o da súbita paz dos anjos entre o anterior e o actual executivo) depende exclusivamente do desempenho de José Maia Azedo, o eleito da CDU. Com os eleitos do PSD metidos num bolso, é a ele que cabe fazer perguntas, exigir respostas; enfim, ser oposição.
Não fora eu, a caminho da Junta de Freguesia, ter caído e ter ficado estendido ao comprido ao pé do muro do Paço, tendo passado toda a sessão cheio de dores com uma entorse e ter-me-ia divertido com este preâmbulo dos próximos quatro anos. Mas cheira-me que ainda nos vamos divertir quanto baste. Eu e o Maia Azedo. E no que me diz respeito é sempre agradável, duplamente divertido, ter, grátis, tanta matéria-prima para caricatura."

Nota de rodapé.
Esta deliciosa posta do Fernando Campos (Crónica de um mujimbo, dois mistérios e uma entorse) merece ser lida na totalidade. Para o efeito basta clicar aqui.
Mais entorse, menos entorse, vais-te divertir à brava. Tens 4 anos, pelos vistos...
No mais, olha Fernando, azar, mas azar mesmo, é um gajo ser atropelado por um carro funerário!
Resumindo, em duas palavras, o que tenho aprendido sobre a vida: ela continua.
E o divertimento também. Por aí. E por aqui.
Tudo exige esforço... 
Até o prazer! 
Porém, entre o que fazemos, com esforço, e o que fazemos, por puro prazer, há tudo o resto. 
A vida é, geralmente, preenchida de tudo o resto, pelo que há que aproveitar aqueles breves momentos que fazem com que a nossa vida valha a pena.

sexta-feira, 16 de agosto de 2019

A culpa, desta vez, não morreu solteira: "chuva impediu que se atingissem os 20 mil visitantes na Findagrim"...

A F i n d a g r i m2019 “foi visitada por cerca de quinze mil pessoas, tendo sido afectada pelas condições meteorológicas adversas nos dias 7 e 8 de agosto em que choveu, o que não permitiu que se atingisse os vinte mil visitantes como se pretendia”
O balanço é de José Carvão, da organização do certame que decorreu de 7 a 11 de agosto na Feira Nova de Maiorca...
Imagem sacada daqui

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

A Figueira é uma festa

A Câmara da Figueira da Foz  tinha muitas alternativas para se financiar... 
Escolheu ter uma taxa de IMI elevada...
Eu vou sugerir outra...
Acabar com o financiamento de festas, festinhas, carnavais e outras festarolas, em que os impostos de todos servem para o povo poder assistir à borla a uns espectáculos pimba...
Aparentemente, há alguma falta de consciência: os impostos de todos, incluem os impostos dos que menos têm, mesmo os dos mais miseráveis e, por mais pequena que seja a percentagem do dinheiro dos mais pobres no conjunto, a verdade é que é imoral usar esse dinheiro para beneficiar quem vive melhor.
Porque as contas nem sempre são fáceis, todos sabemos que estas são matérias raramente consensuais.
Porém, ao menos o princípio geral de não usar dinheiros públicos, como forma de transferir riqueza dos mais pobres para os mais ricos, deveria estar perfeitamente claro e adquirido na Figueira.
Analisando o que se tem passado recentemente, nem esse princípio é consensual.
Os mais espertos,  à boleia da sua maior capacidade de influenciar, continuam a concentrar boa parte dos recursos de todos, para a resolução do seu problema, sempre com justificações excelentes de benefício para a imagem da Figueira!
É pena, que essa justificação não tenha de ser provada.
Vamos aguardar, por exemplo, pela apresentação do fecho das contas da FINDAGRIM 2018...E, já agora, se não for pedir de mais, também do GLIDING BARNACLES...